Segunda-feira, 8 de Novembro de 2010

...

Pois…. Nunca é Connosco e ao Não Ser Até É Divertido…Até ao Dia! They came for the Communists, and I didn't object - For I wasn't a Communist; They came for the Socialists, and I didn't object - For I wasn't a Socialist; They came for the labor leaders, and I didn't object - For I wasn't a labor leader; They came for the Jews, and I didn't object - For I wasn't a Jew; Then they came for me - And there was no one left to object. Martin Niemoller, German Protestant Pastor, 1892-1984 “Ontem escrevemos um texto sob este título de “POLITIQUICES”, onde analisámos a singular interpretação que era feita a uma paródia engraçadíssima,…”, eis como começa a resposta do Juvenal camarada Lucas ao texto que fiz, sobre um videoclip verdadeiramente fascista, atacando Socrates e Passos Coelho a partir de um discurso totalmente homofóbico. Vindo de um cidadão que se assume de guevarista é inacreditável. Na verdade o Juvenal camarada Lucas será certamente castrista, nunca guevarista, pois todos sabemos quão homofóbico foi e é o regime castrista, não Guevara. Daí certamente a piada que o Juvenal camarada Lucas acha ao homofóbico videoclip que, de “revolucionário”, tem somente o abuso que faz de Sócrates e Passos Coelho, abuso que o Juvenal camarada acha, como se vê, “uma paródia engraçadíssima”. Igualdade de género, igualdade de percepções perante o sexo, agora que já não conta para o voto, só, para o Juvenal camarada Lucas, para servir de paródia, tal qual o regime castrista fez anos a fio. Por favor. Burguês não é aquele que é acusado de tal, burguês é aquele tem a mentalidade castradora, totalitária, abusadora, egoísta, autocentrada, exploradora, do corpo e da imagem, da matéria/natureza e do espírito. Naif também é aquele que acha que se faz, em brincadeira, (mas com horas a fio de trabalho visível, nada inocentes), atentados aos direitos dos Outros e os espalha na internet , para a “paródia engraçadíssima” de uns tantos Juvenais camaradas Lucas. Os tais a quem cabe bem o poema que cito acima e que é bem famoso. Riem-se sempre com a maldade, com a manipulação, com o insulto que cai ao Outro. E só se ofendem quando cai tudo em cima deles. Vivemos momentos dramáticos. Uma comunidade inteira, a portuguesa, descobre que já não é, que nunca foi, rica. E que tem de pagar o que deve, os empréstimos solicitados e autorizados, a juros cada vez maiores. Uns dizem – abaixo o capitalismos e contam, entretanto, anedotas, umas homofóbicas, outras não, entre manifes e protestos. Outros dizem – diminuamos a despesa pública, (propondo, assim, despedir mais ainda, reduzir o Salário Mínimo Nacional, que afecta 5% máximo da População Activa, que afecta os mais Carenciados de todos, mais ainda, ), Outros assustam-se porque cai sobre eles o custo da dívida publica. Outros, e nesses está a virtude, procuram saber antes do mais o como pagar e como minorar a forma de pagar. Para depois discutir sobre quem gerou esta imensa dívida publica, (onde a comparticipação para recebermos os tais fundos comunitários tem um peso exemplar) e sobre os modelos de gestão a adoptar, a seguir ao pagamento da referida dívida. Somos, nestes 89000 Km2 uma enorme família numa enorme mansão. Endividámo-nos anos a fio para gerarmos energia para as casas de todos, água para as casas de todos, escolas para todos, hospitais para todos, meios de transporte e de comunicação para uma imensa maioria, (pois durante 48 anos nada tivemos nestes 89000 km2), pensando sempre que alguém pagaria. Mas não nós. Acordámos do sonho lindo – temos de pagar o que construímos de bom e temos de pagar o que de mau deixámos construir também. Temos de pagar ponto final Ou assumimos solidariamente esse pagamento, ou entraremos na derrocada deste país, tão somente. Escrevi várias vezes que a crise estava ainda para vir, (e recordo que ela não chegou no essencial). Talvez não saibam que o sector “dinâmico”, “motor” da economia portuguesa, foi, desde 1986, o da Construção Civil e Obras Públicas. Gerador de Riqueza este sector? Não. Gerador somente de Emprego, distribuidor, localmente, de alguma riqueza, mas não, definitivamente não, gerador de riqueza adicional. Tão somente um potenciador. Bem recentemente a Soares da Costa divulgou nºs bem preocupantes sobre este “dinâmico” “motor” da economia. Haverá neste sector ,para os próximos 3/4 anos ,aparentemente, cerca de 11 % de redução da actividade produtiva, pelo que não haverá, por via deste sector, geração de Emprego nem distribuição, local, de riqueza. Há que vender, diz a Soares da Costa. E nada de aparecer um sector de actividade outro, dinâmico também, motor também e capaz de gerar também riqueza adicional… Daí que ache, sinceramente, que a crise só despontou agora e que o Governo tudo fez para travar os ímpetos doentios de uma Comissão Europeia e de um alta finança para que Portugal fosse posto no charco e de joelhos. Até ao momento do quase impossível, isto é, até ao momento em que tudo ameaçava que deixaria de haver crédito para este país se a linha não mudasse de rumo. Estamos pois a pagar o novo riquismo onde este país andou entre 1 986 e 1 999. Ele, a Espanha, a Grécia, a Islândia e a Irlanda, na berlinda, mas também a Itália, e mais se verá. Porque a Alemanha pagará também a sua factura, vê-lo-emos, de falta de solidariedade feita. Porque os mercados reduzir-se-ão tanto que a ela caberá também a sua parcela de pobreza. Já que não há mercados sem Pessoas com capacidade de consumir, pois os bens e serviços não se reproduzem por eles, não geram, por eles, riqueza. Ah! Esfregam, de satisfação, as mãos, aqueles que sonharam com paraísos terrenos, de comunismo denominados, e que como tudo o resto, reeaganomics feito, viveram da exploração dos proletários de hoje – a África, parte essencial da Ásia e a América Latina. (Como eu conheço bem Angola…). Erro, pois sobre eles cairá o poema acima citado. Porque esqueceram a solidariedade e esqueceram sobretudo a assunção dos compromissos feitos. Brinquem pois com o fogo, achem pois divertido e parodiante o que as centrais de comunicação fascistas fazem! Depois falaremos. Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 13:51
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds