Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

O Pasquim do “PSD” (Não Confundir com PSD!)

Um amigo meu, ex-pcp(ml) como eu, anda zangado comigo porque ando demasiado socratista, diz ele, e argumenta tal acusação com estes meus últimos textos sobre o “caso” FREEPORT… Como ele, eu tenho orgulho nos combates democráticos de 1974/5 em defesa de Valores e Princípios que geraram esta Democracia que hoje temos, (talvez andemos desencantados, mas tal resulta mais da utilização da Democracia por alguns, que da Democracia ela mesmo). Estivemos, com orgulho, também com dirigentes e militantes do PSD nas manifestações do Republica, do Terreiro do Paço, da Alameda. Com orgulho certamente, recordamos que eram as manifestações democráticas que eram atacadas a granada de fumo, enquanto que as manifestações totalitárias e para totalitárias eram protegidas pelos copcon’s e suv’s… Foi nesses combates que se geraram solidariedades, entre socialistas, sociais democratas e, claro, maoistas como nós dois. A estes combates eu ainda acrescentei a luta pela Democracia em Angola…onde convivi, de novo, com Socialistas e também com Sociais Democratas e, claro, Centristas. Uns de nós, ex- pcp (ml), são hoje militantes ou apoiantes do PS, outros do PSD. Os socialistas são pela construção de uma economia solidária, com intervenção maior ou menor do Estado, com maior ou menor reforço e empenhamento na economia social, nos movimentos cooperativos, associativos, no Poder Local, com maior ou menor empenho na Justiça Social, da Distribuição da Riqueza, numa Educação para todas/os, (uns mais pela Educação/Escola pública, outros, como eu mais por uma Educação/Escola Social). Para os Socialistas é o Estado que é um instrumento de gestão da coisa pública, nunca a Democracia Os PSD encontram-se, em especial desde Durão Barroso, bastante mais dividido, entre um pensamento liberal, político, mas mais ou menos social, no plano da economia, e um pensamento neo liberal, o Estado definitivamente fora da economia e do social. Passos Coelho é, já se viu, não um liberal mas sim um neo liberal. Seguindo o pensamento de Durão Barroso, não de Sá Carneiro. No entanto, já o mostrou, a Democracia não é, para ele, um mero instrumento. É um Valor e por isso segue a linha dos PSD que fizeram os Combates acima, onde também estive. Temos diferenças de linha ideológica, de estratégia, de opções políticas, mas não de Valores. O que já não é verdade com alguns que se dizendo ou do “PSD”, ou próximos do “PSD”, fizeram um outro percurso. O dos SUV e do copcon, o da assunção da Democracia, ainda hoje, como um mero instrumento para atingir outros objectivos. Que hoje já nem os têm, pois há muito que deixaram de ser comunistas, para os casos que ora analiso. Assumo, desde já, que foi com Socialistas como Mário Soares,.em especial este dirigente Socialista, e com Sociais Democratas, na verdade Liberais, como Sá Carneiro, ou Emídio Guerreiro, ou com Centristas e ou Democrata Cristãos, como Freitas do Amaral e Amaro da Costa, que aprendi que a Democracia é um Valor e não um estrito instrumento! Regressando ao título deste texto, na verdade o problema é que, nas margens do PSD, e sem que este partido de tal tenha culpa, andam cidadãos e cidadãs que odeiam, detestam visceralmente a Democracia, e a utilizam instrumentalmente. Tal sucede neste pasquim que se chama Publico. Aí utiliza-se os mecanismos democráticos, meramente no sentido instrumental dos mesmos, em nome de interesses onde a Democracia inexiste. Daí as campanhas anti Partido Socialista que teimosamente mantêm, daí as campanhas anti Socrates que teimosamente mantêm. Mesmo depois de terem verificado que foram apanhados com o pé no ar, com a mentira toda na boca! Anotemos o relato do SOL, jornal claramente antisocialista, sobre as razões da não inquirição de Socrates, primeiro ministro, democraticamente eleito, por duas vezes, “Acontece que o trabalho da PJ, coordenado pela inspectora Maria Alice, foi entregue ao DCIAP apenas a 21 de Junho, ou seja, quando faltava um mês para terminar o prazo dado pelo vice PGR, Mário Dias Gomes, para a conclusão do inquérito, (25 de Julho) – prazo definido em Maio, por sugestão da directora do DCIAP e de que os magistrados tinham conhecimento. Alem disso, nesse relatório não era feita qualquer proposta de acusação ou arquivamento, ou de inquirição de testemunhas.” (in, SOL 6 de Agosto 2010). Foram as excelências procuradores que entenderam que, em um mês, em 24 dias, repito, 24 dias úteis de trabalho, não tinham tempo para inquirir quem desejavam, mas ainda assim, tinham tempo para colocar as 27 mais estúpidas perguntas que se possam imaginar, já citei algumas, ao Primeiro Ministro do seu país, num despacho da Justiça em que eles na verdade parece não acreditar! Haja respeito, por favor, haja menos instrumentalismo e mais Valores, Mais Justiça, Mais Democracia! Estes factos estão mais uma vez totalmente deturpados no instrumentalista pasquim que se chama Publico, que, em consequência note-se, consegue no dia de hoje 12 páginas de publicidade para as 22 páginas de publicidade do DN! Por acaso? Claro que não! Quem quer manchar o nome comercial num pasquim? Estou em crer que poucos o querem… Eis porque entendo que op meu amigo ex-pcp(ml), como eu, não tem razão. Não é o socratismo que está em jogo, mas sim a transformação da Democracia em um mero instrumento, ao serviço de uns tanto e dos seus interesses. Que, como se vê pela publicidade – paga mal! O mercado meus caros é implacável e quem ofende mais de 30% do mesmo, os Socialistas, em nome de interesses obscuros e da instrumentalização da Democracia, só pode ter de pagar a factura por tal. Com o desaparecimento, como acontecerá a breve trecho. Não é o PSD que está em jogo, nem é o jogo partidário que está em jogo, são simples, tacanhos, obtusos, interesses. A partir de “espertezas saloias”. Erraram. Terão sido instrumentalizados pelos interesses do tal Serious Fraud Office? Acontece a todos errar, acontece a todos sermos episodicamente instrumentalizados. Mas quando tal sucede, algo simples, mas lindo, tem de ser feito – pedir desculpa. O que, como se vê, nem o pasquim nem a Embaixada britânica são capazes de fazer. Falta de chá. Enfim, parto para férias com este sorriso e este amargo na boca – a Democracia em Portugal está em risco, em consequência deste instrumentalismo que, visivelmente, todos temem contestar! Mas que urge na verdade denunciar com a mesma veemência que tivemos nas manifestações da Alameda, ou do Terreiro do Paço, ou do Republica. Porque se ninguém intervém para pôr esta maralha na ordem, teremos nós Cidadãos e Cidadãs de o fazer. Uma vez mais. Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 14:41
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds