Sexta-feira, 3 de Junho de 2005

Que chatice, um boato

Uma nota inicial a este artigo,

Como já referi em vários dos emails de divulgação deste blog o mesmo está aberto a outros texto que não os meus somente.

Surge pois como primeiro texto, este de João Tocha. Como acontece comigo e com os meus textos, ele ele aguarda também criticas comentários etc....


13-05-2005

por João Tocha



Ando a pensar como vos posso falar dessa coisa estranha que é o boato. Começo este artigo sem saber por onde devo começar. Talvez lembrar a história de uma criança que foi picada por uma serpente quando mexia nas bananas expostas nas bancas de um hipermercado.



Um boato com barbas e clássico. Lá está a angelical

criança, as bananas, fruto oriundo de um país africano ou da América Latina e, a vítima do boato, um hipermercado. Mais elucidativo é falar na doença mortal atribuída a François Miterrand, no auge da sua carreira ou a uma conhecida cantora francesa. Entre nós recordo, no Verão, a célebre onda que iria varrer o Algarve do mapa e que fez entrar em pânico tanta gente.

O boato é assim. Corre rápido. E anda mais rápido quanta mais verosimilhança ele consegue aparentar. Ele existe porque tem valor para quem o transmite. Não interessa se é verdadeiro ou não. Ele ganha foros de notícia. Muitas vezes os órgãos de comunicação social amplificam e aumentam o seu raio de acção.

Partilhar um boato dá estatuto a quem o divulga. O transmissor mostra estar na posse de uma informação importante. Outras vezes escuda-se no diz-se, diz-se, da comunidade, do grupo, e divulga o dito.

O boato nasce, cresce e vive de forma mais ou menos irregular. Enquanto mantiver a sua utilidade, valor e novidade progride sem parar. Quando começa a ser esmiuçado, se alguém pára para aferir dos seus elementos constituintes e dos factos em que pretensamente se ancora, começa a perder embalagem. Muitas vezes morre. Mas pode ressuscitar em tempo oportuno. O boato corre. A sua velocidade é susceptível de ser aferida. Ele pode ser fruto de uma informação mal percebida e distorcida ou ser voluntariamente criado com fins políticos, económicos ou de diversa ordem. Umas vezes resulta, outra é um nado-morto. Lidar com os boatos requer perícia, sangue-frio, ciência e bom-senso. Ele pode ser travado. Os seus efeitos podem ser minimizados. Virar-lhe as costas pode provocar sérios danos na reputação de pessoas, organizações ou produtos.

“Ele é o mais antigo dos mass media. Existe antes da escrita, quando o que se dizia de boca em boca era o único canal de comunicação.”* Um boato é uma informação noticiosa, não verificada, transmitida por boca ou amplificada pelos media. Actualmente a Internet é um óptimo veículo de transporte do mesmo.

Há locais propícios à sua propagação. Os sítios onde se reúnem grupos de pessoas, uma comunidade religiosa, uma praça, um agrupamento desportivo, uma organização política. A credibilidade de quem o difunde é um factor importante. Se quem me diz que determinada pessoa é isto ou aquilo for alguém que reputamos idóneo, com créditos aparentes na veracidade de informações anteriormente transmitidas, a informação contida no boato ganha mais consistência e leva-nos, num primeiro momento, a dispensarmos a confirmação dos elementos do mesmo.

Se nos disserem que a existência de jacarés nos esgotos de Nova Iorque, facto derivado ao facto de um detentor desses bichos se ter fartado deles e os ter enfiado pela sanita abaixo, permitindo a sua multiplicação sem controlo, quase que compramos a ideia. O mesmo se nos dissessem que uma associação de defesa das espécies teria lançado cobras de avião sobre uma determinada região para combater uma praga de outros animais, tal nos pareceria possível e aceitaríamos que a multiplicação das ditas estaria a provocar uma invasão de cobras numa povoação vizinha do local. Só que, quando paramos para pensar, verificaremos que as pobres das cobras se teriam esmagado ao embater no chão, quando lançadas de tal altitude.

Uma teoria dos boatos terá de abarcar aspectos como a natureza do boato, comportamento e ciclo de vida do mesmo, origem, meios de divulgação, velocidade de difusão, neutralização e estratégias de combate e comportamento face aos mesmos. Confesso que não é um tema fácil. Que se confunde com a notícia, com os rumores e mexericos. Mas é uma necessidade estar preparado para agir quando eles surgirem.

O meu primeiro encontro profissional com um boato, conhecido de todos, foi quando trabalhava a imagem da McDonald’s. Tive de levar os jornalistas a verificarem ao vivo, em Paris, que os hambúrgueres eram feitos de carne de vaca e não de minhoca, e segundo elevados padrões de qualidade e higiene. Até porque a carne de minhoca seria muito mais cara.

Eles são na sua maioria falsos. Mas não necessariamente, podem ter fundamento. Podem magoar. E já mataram. Outras vezes, se bem enquadrados, podem até dar o resultado inverso do que pretendem os seus autores. “As convicções íntimas que movimentam os povos partem frequentemente de meras palavras.”* Podemos chamar-lhe de fé, onde assenta o saber social.

joaotocha@lpmcom.pt
publicado por JoffreJustino às 17:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds