Sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

Morreu Holden Roberto, um dos Pais da Pátria Angolana, o ultimo a Falecer

Holden Roberto, Presidente da FNLA, fundador da UPA, (não da UPNA, como já vi noticiado, pois aí não foi fundador), faleceu neste 2 de Agosto de 2007.

Um dos Pais da Pátria Angolana, ao lado de Agostinho Neto e de Jonas Savimbi, foi também um dos cidadãos Angolanos mais vilipendiados a nível internacional, por certos sectores de alguma Esquerda dogmática e, claro, da Direita revanchista.

Pró ocidental, num contexto de crescendo do prosovietismo e bastante pouco pró português, nascido que foi, politicamente, em um tempo em que “todos” o eram note-se, Holden Roberto, viveu toda a sua vida politica na margem do politicamente correcto.

O que o deixou sempre bastante limitado na sua capacidade de afirmação política.

Tal, aliado a erros apreciáveis da UPNA/UPA/FNLA, e também dele, ao iniciar da Luta Armada, (por exemplo não entendeu a importância de uma aliança com a Oposição Democrática Portuguesa, que lhe terá sido proposto antes do 4 de Fevereiro, assim como com os nacionalistas de Luanda), e a dificuldades de liderança bastante evidentes, (recordemos as criticas de Jonas Savimbi a FNLA/ Holden Roberto, ao tempo do GRAE), conduziu a uma falência da FNLA ainda antes do 25 de Abril.

Como sucedeu com o MPLA, e de certa forma com a UNITA, que demorava a crescer no plano nacional…

Com o 25 de Abril e o processo de pré Independência, a FNLA ao falhar a tomada de Luanda perdeu-se.

A pouco e pouco os membros da FNLA ou aceitaram participar nas benesses do Regime do MPLA/PT, ou aderiram à UNITA, sendo uma das suas bases de crescimento a Norte e Nordeste.

Holden Roberto reaparece em 1992, com Bicesse e será, falha com a falência do acto eleitoral de 1992,mas é, daí em diante, uma referência, até dada a idade, ainda que sem influencia política directa.

Sou dos que entende que existiram pelo menos três UPA’s – a que fez o 4 de Fevereiro em Luanda, fora do contexto e da liderança de Holden Roberto, a que se sediava fundamentalmente fora de Angola e a que fez os ataques de Março no Norte de Angola, sendo que esta última era evidentemente teleguiada do que restava do antigo Congo Belga, ainda não totalmente Zaire, ou República do Congo.

Basta vermos como foi em 1974 tão fácil montar “pontes aéreas” para tirar de Angola cerca de 300 000 pessoas, para entender os interesses que não se terão movimentado em 1961, momento em que Portugal estava bem mais isolado do Mundo…e teria de sair das suas ex colónias a todo o custo, para se entender o peso da influência externa em Angola.

O regime fascista de Salazar é, sem dúvida, o responsável por tal situação.

Fez o possível para eliminar a elite angolana nascida com a presença de Portugal em Angola, antes até desta ter nascido, isolando-se dentro de Angola.

Limitou ao que pôde nas décadas de 30 e 40 a ida de portugueses para Angola, impedindo outro crescimento para Angola.

Recusou o diálogo com as forças pré nacionalistas na década de 50, eliminando a hipótese de uma Independência nascida no diálogo entre Portugueses e Angolanos.

Mas hoje, para uns tantos, o que conta é continuar a alimentar feridas antigas, como os massacres de Janeiro/Março de 1961, feitos de parte a parte e, por isso, há que continuar a vilipendiar Holden Roberto, Jonas Savimbi e, claro, também Agostinho Neto.

Por isso defendo há anos que Angola deve perdoar-se a si mesma e assumir o Respeito e Amor aos Pais da Pátria Angola, todos eles – Agostinho Neto, Holden Roberto e Jonas Savimbi - insttitucionalmente.

Marcando-se assim a diferença.

Fica aqui pois a minha Homenagem a Holden Roberto, Presidente da FNLA, que tive o prazer de conhecer, ainda que brevemente através do meu amigo William Tonet.





Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds