Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Ah Esta Angola!

Ah Esta Angola!


Está terminada mais uma fase do processo Angolano – a realização de eleições para a Assembleia Nacional de Angola decorreram como era de esperar, com aspectos graves de controlo dos eleitores, com potenciais fraudes nas contagens de votos, e de controlo das mesas de voto.

No entanto, as mesmas decorreram bem no plano geral – houve campanha, houve troca de opiniões, houve apresentação de programas politico partidários e houve a defesa da divergência de forma clara.

É evidente que os silêncios de alguns dos Observadores e o facto de os Observadores europeus se terem recusado a considerar as eleições como justas relevaram o que as acusações que ficaram no ar de vários partidos da Oposição, como a UNITA e a FpD, já anunciavam – terão havido abusos de poder e terão havido fraudes na contagem de votos.

De qualquer forma até ao momento nenhum partido da Oposição Angolana assumiu senão a existência desses mesmos abusos e não, como em 1992, a existência de uma Fraude generalizada.

Eu desta vez estava em Portugal, pelo que só me posso reger, para exprimir a minha opinião, pela apreciação do que me vão relatando e pelas queixas dos participantes no processo eleitoral.

Sou dos que acreditam nas capacidades dos Angolanos e por isso não sou dos que acreditam que os Angolanos, por serem Africanos, gerem mal, originando por esse erro, situações de impasse como os das mesas que não abriram, etc,…

Por isso dificilmente aceito que tudo tenha corrido na perfeição, dificilmente aceito que os resultados eleitorais apresentados sejam os reais.

Ainda que reconheça que seria difícil ao MPLA não ganhar estas eleições.


. As razões da vitória do MPLA


A primeira razão residiu no facto de a UNITA, estando no GURN, não ter assumido que era uma parte do GURN, que era governo portanto e que era parte importante da razão dos bons resultados do Governo nestes anos, 6, de governação.

A actual direcção da UNITA preferiu assumir que era uma parte, “emprestada”, no GURN, sendo mais Oposição que Governo.

Ao fazê-lo, distanciou-se, erradamente, dos bons resultados da governação destes últimos anos, passando a beneficiar sobretudo a Oposição restante por tal, dando crédito à mesma.

Mas como as melhorias eram crescentemente evidentes, a UNITA e a Oposição, acantonaram-se na critica negativa, o que nunca dá bons resultados eleitorais.

Por outro lado, como a restante Oposição se encontra fortemente dividida e limitada pela pressão de um Estado/Partido exageradamente presente, nunca saberemos até onde a mesma Oposição foi derrotada…

Em segundo lugar, a UNITA perdeu múltiplas oportunidades de se afirmar mesmo junto do eleitorado do MPLA. Recordo um texto saído na Comunicação Social Angolana, em Setembro de 2002, estava eu em Luanda, em que Lopo de Nascimento assumiu que poderia ser uma alternativa eleitoral, presidencial, se tivesse apoios para tal.

Perante este texto a UNITA preferiu o silencio ao apoio entusiástico que eu sugeri…perdendo assim a oportunidade de dividir o eleitorado e a elite MPLA.

Em terceiro lugar, a UNITA cometeu um grave erro a reaproximar-se dos EUA do Partido Republicano, do sr Bush, quando o MPLA assumiu uma aproximação à Republica Popular da China quando esta disponibilizou um espantoso empréstimo a Angola, para a sua recuperação económica, sobretudo infraestrutural.

Com esta posição a UNITA afastou-se de um instrumento que se veio a mostrar essencial para a recuperação dos danos resultantes de uma Guerra Civil onde ela tinha sido, com razão, na minha opinião, parte, quando era já visível que da famosa “Comunidade Internacional” e dos EUA pouco ou nada chegava do famoso apoio à recuperação de Angola presente no Protocolo de Lusaka.

Em quarto lugar, e aqui recordo um texto recente de um militante empenhado da UNITA, Carlos Lopes, “Porque razão, é que os delegados da UNITA, os fiscais, até os observadores, não apresentam provas do que aconteceu em sede própria e conforme a lei?! – Porquê que as Actas não mencionam a falta dos cadernos eleitorais, de boletins de votos, de aberturas tardias etc, etc, etc?! – Porquê é que a CNE aprova por unanimidade um instrutivo que o eleitor podia votar fora da residência, que esse voto ia para uma urna especial e cuja contagem seria feita noutro local, sem qualquer contestação dos Comissários da UNITA na CNE?! – O próprio mandatário da UNITA teve no centro de escrutínio antes do acto eleitoral, onde não estariam representantes dos partidos nem observadores, e não houve contestação nenhuma. Porque razão não aparecem dados sobre a abstenção e a UNITA nada diz sobre este assunto. Ou seja, houve a oportunidade de contestar, reclamar formalmente, denunciar situações com que a UNITA não concordava a partida,… mas que no momento próprio, não fez uso das prerrogativas legais!”,

A UNITA não preparou, como se viu acima, adequadamente, os seus militantes para o acto eleitoral nos seus aspectos de acompanhamento do mesmo e de contestação dos erros havidos…

Pode ser verdade a Fraude, (eu até acho que poderão ter existido fraudes pontuais…), só que não aparecem os factos comprovativos da mesma, por impreparação dos representantes da UNITA nas mesas de voto.

No entanto a UNITA tinha a experiência de 1992 para justificar uma preparação atenta dos seus representantes nas actuais mesas de voto e impor com os seus representantes, uma contagem de votos mais transparente do que a que terá havido…

Não o fez.

E o MPLA ganhou as eleições com os resultados que apresentou.


. Interessa mesmo é o Futuro


Perante o descrito acima, prefiro preocupar-me mais com o Futuro.

A UNITA deverá, internamente, estudar os erros que cometeu, que a conduzem para um impasse interno bem grave, pois deixou de apoiar tanto quanto o fazia o seu eleitorado militante, e preparar-se para os próximos actos eleitorais que a possam recompor.

Na minha opinião o candidato presidencial da UNITA deverá ser, reafirmo-o, uma personalidade do Regime do MPLA e não um membro da UNITA. Tal reforçará no eleitorado a ideia essencial de que a UNITA acabou com a fase da guerra civil, de vez.

Mas onde a UNITA deve concentrar todos os seus esforços é na realização de Eleições Locais, urgentes. O Estado Angolano deve assumir a Constituição, devendo assumir assim a descentralização feita esta democraticamente, isto é pelo voto Local. Já o defendi várias vezes e já vi por demais vezes a direcção da UNITA rejeitar esta opção, para acreditar que ela aconteça. Mas nunca é demais insistir.

Nestas eleições locais, deverá a UNITA fazer o maior nº possível de coligações interpartidárias para reforçar o papel da Oposição no país.

Finalmente, a UNITA deve purgar-se internamente de vez afastando todos aqueles que nunca estiveram, com ela ou com a Oposição, desde 1998.

Como deve também reequacionar a sua equipe directiva e os princípios direitistas que assumiu e que so a penalizaram.

Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 10:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds