Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

…Esperemos que não se Sintam Felizes com a Nossa Desgraça…. (Apesar de tudo Vou Acreditar Nisso)…E Queiramos Todos Mudar!

Terá chegado, ou estará para chegar, definitivamente, a notícia de que, tal como os outros, estaremos, em Portugal, a viver em recessão…É possível que, alguns, à Direita e à Esquerda, se sintam felizes com esta noticia – em especial aqueles que, odiando-se, odeiam tudo e todos a ponto de entenderem que somente a Infelicidade dos Outros lhes traz felicidade.
Tal não será de qualquer forma uma atitude progressiva, muito menos revolucionária. A inevitabilidade de Marx, sobre a irreversibilidade do desaparecimento do capitalismo, não era por ele vista com alegria, mas sim com objectividade científica. Se não fosse assim ele não entenderia a necessidade da revolta que nada traria de novo à dita irreversibilidade.
O alegrarmo-nos com as “crises do capitalismo” não só não é saudável, como não é moralmente ético, nem traz nada de novo no processo de irreversibilidade do desaparecimento do mesmo.
Pelo contrário.
As denominadas “crises cíclicas” são processos inerentes ao Mercado e à sua adaptação a inovações, (ou falta de…) tecnológicas, de mercado, de gestão, quase como que, segundo alguns economistas, “purgas intestinais do sistema”, e em caso algum podem ser consideradas razões de felicidade.
Porque a larga maioria de nós sofreremos com tal, com a redução do mercado que elas impõem, com a redução da capacidade de distribuição da riqueza que originam, com a miséria, fome, e infelicidade inútil que geram.
Deus não é castigador e não nos quer infelizes.
Pensava também que um autêntico revolucionário também não tem como objectivo a infelicidade.
Portanto, nem a Direita nem a Esquerda se deveria satisfazer com o surgimento da “Recessão”, pelo contrário, deveríamos, todos, buscar todos os meios de a impedir ou, no mínimo, de a limitar.
Aproveitando inclusive as Oportunidades que ela traz.
Como?
Existirão empresas que estão obsoletas. Por razões tecnológicas, por razões de gestão, por razões de Mercado.
Certo.
Então à medida que as mesmas encerrem, deveríamos criar condições para que os “tempos de paragem” impostos às Pessoas afectadas, fossem utilizados com a sua Qualificação, com a Reciclagem dos seus Saberes, com a Aprendizagem de novas Técnicas, novas formas organizacionais de abordagem das empresas.
Dir-me-ão, é o que o governo está a fazer com o POPH, com os apoios da União Europeia enfim, que permite a Qualificação, escolar e profissional, e é verdade.
Responderei – e a nossa própria capacidade de Investimento nas Pessoas?
Na verdade, porque não acrescentar ao Investimento vindo da UE, Investimento de todos nós, e não somente o que pode vir do “Estado”, via Segurança Social?
Poderiam as Associações Empresariais ser as gestoras de fundos para a qualificação de empresários e trabalhadores, em cada sector, fundos esses resultantes de pequenas ofertam para esses fundos, vindas de todos nós.
Utópico?
Sim se nos entendermos somente como concorrentes, adversários, inimigos quase.
Concretizável?
Sim se nos entendermos enquanto Parceiros numa economia solidária.
Alguns dirão – o capitalismo não o permite – ele é por inerência, explorador, destrutivo.
Outros dirão – a avareza, a ganância não o permitem – estas são as características dominantes em nós.
Para ambos os casos direi que não é verdade. Nem a avareza, nem a ganância são as características dominantes no ser humano, nem o capitalismo, por querer o lucro se entende somente e estupidamente explorador e destrutivo.
O capitalismo, por inerentemente desejar gerar mais riqueza, gerido com clarividência, prefere limitar os impactos das crises que lhe são inerentes.
Sentimentos como a solidariedade, o bem-estar, inerentes que são ao ser humano, pelo seu lado, podem conduzir-nos à necessidade de fazermos o Bem aos Outros.
Podemos pois superar a Recessão limitando as suas consequências e saindo, todos, a ganhar com ela, como podemos simplesmente deixar andar e, pelo menos durante algum tempo, perdermos todos com a crise, sabendo-se ainda por cima que muitos perderão demasiado.
Está pois na nossa mão desenharmos o caminho que queremos, todos nós os residentes em Portugal, seguir.
Lamento, mas teimo em considerar que as inevitabilidades dos processos passam sobretudo por nós.
Chama-se a tal – o Livre Arbítrio!
E se Deus nos deu esta Oportunidade, a de termos o Livre Arbítrio, a Bíblia teima que sim, na sua sabedoria de mais de 2000 anos, porque não utilizá-lo positivamente?
Isto é, considerando o Bem de Todos?

Joffre Justino


INE deve confirmar recessão técnica para economia portuguesa
Hoje às 07:35

O Instituto Nacional de Estatística deve confirmar, esta sexta-feira, que a economia portuguesa fechou 2008 em recessão técnica, com base numa estimativa rápida sobre a produção da riqueza relativa ao último trimestre do ano.
Todos os analistas apontam para uma contracção de cerca de 1 por cento no Produto Interno Bruto (PIB).
Uma previsão que é partilhada pela economista chefe do BPI. Cristina Casalinho estima um forte recuo do PIB, o que significa que ao longo de todo o ano de 2008 a economia portuguesa deverá ter crescido pouco.
«Acreditamos que tenha havido um forte abrandamento na actividade no último trimestre do ano passado, decorrente de um forte abrandamento das exportações, do investimento e de alguma desaceleração do consumo», explica.
Para os próximos meses, a economista chefe do BPI prevê que a economia recue ainda mais ou que na melhor das hipóteses venha a estagnar.
Como boas notícias, Cristina Casalinho só vê o aumento dos apoios sociais e a queda das taxas de juro, dois factores que podem evitar uma diminuição do consumo das famílias.
publicado por JoffreJustino às 11:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds