Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010

A Questão É de Sobrevivência, Não é Partidária! Jantar Pela Regulamentação Internacional das Agências de Notação, a 5 de Janeiro de 2011, Confirmem a Presença! Camilo Mortágua Connosco!

“A ministra da Economia francesa, Christine Lagarde, defendeu hoje um maior controlo das agências de notação e anunciou medidas para garantir que "respeitem as regras deontológicas". A ministra da Economia francesa, Christine Lagarde, defendeu hoje um maior controlo das agências de notação e anunciou medidas para garantir que "respeitem as regras deontológicas". "Nos próximos dias, vou publicar os documentos necessários para autorizar a Autoridade dos mercados financeiros, que é uma espécie de polícia da bolsa, a controlar as agências de notação e a verificar, em particular, que respeitem as regras deontológicas", disse Lagarde. "É preciso um maior controlo sem dúvida, assegurar que elas respeitam as regras", frisou a ministra francesa à rádio Europe 1, citada pela agência France Presse. "Não se reduz [a notação] de um país nas condições em que a sua notação foi reduzida, quinze minutos antes do fecho [dos mercados] para precipitar as compras ou vendas", acrescentou, referindo-se implicitamente ao caso espanhol. O papel das três grandes agências de notação, Standard & Poor's (SP), Moody's e Fitch, já tinha sido alvo de críticas por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Comissão Europeia e de vários governos europeus, incluindo o português, depois de a diminuição do " rating " de países como a Grécia, Portugal e Espanha ter gerado quedas abissais nos mercados na semana passada. “ In, Internet Nasceu em 1934, tem 76 anos e continua um Activista! Chama-se Camilo Mortágua, esteve no assalto ao paquete Santa Maria, com o capitão Henrique Galvão, esteve no assalto ao avião da TAP da carreira Casablanca Lisboa, esteve na fundação da LUAR e esteve a acompanhar a organização do assalto ao Banco de Portugal na Figueira da Foz. É Grande Oficial da Ordem da Liberdade, da República Portuguesa. Mas, como cidadão, como activista que é, aderiu a esta Campanha, pela Regulamentação Internacional das Agencias de Notação, algo que já deveria estar determinada, já que a Comissão Europeia assim pensou, (mas não fez), em Junho de 2010! Certamente porque há Campanhas que estão para além das opções ideológicas e partidárias, (e o exemplo de vida de Camilo Mortágua mostra como em determinados momentos o que conta não é a opção partidária…), temos esta Honra – a de sabermos que contamos com Camilo Mortágua! Mas como vêm pelo texto acima, até a liberal sarkoziana , Christine Lagarde, ministra da economia francesa, contradiz Durão Barroso e o candidato Cavaco Silva, que assumiram preferir o nada fazer, num grave erro democrático, (ao contrário de Manuel Alegre, que como se vê antecipou a ministra da Economia), e apela expressamente à Regulamentação Internacional das Agencias de Notação! Por razões evidentes de sobrevivência contra os piratecos que são estas ditas agencias…. Que o que estão a fazer é somente alimentar a selvática especulação financeira, em bolsa, com um objectivo – destruir o euro, destruir a União Europeia, e levar-nos, aos países mais frágeis na União Europeia, à falência! E vamos ficar quietos, ou vamos combater seguindo exemplos como os do nosso Mais Velho Camilo Mortágua? É na Cidadania que encontraremos a resposta a estas agencias garanto! E mesmo que por vezes o que escrevo possa ser mais agressivo, como já me foi relevado por um amigo, que fazer perante piratas, senão ser agressivo? Mas não basta! Urge juntar esforços, e iniciar uma Campanha, que seja Internacional, que seja no mínimo da CPLP, pois estaremos todos não duvidem a prazo em risco grave! Até o expansivo Brasil, por o ser, estará em risco, podem crer, se não controlarmos, se não conseguirmos a Regulamentação destas selváticas agencias de pirataria internacional! Nós da CPLP sabemos, desde bem antes de todos, o que é a Globalização, no que de bom e de mau uma Globalização pode ter e devemos dar o exemplo do Combate democrático e Participativo Pela Regulamentação Internacional das Agências de Notação!
publicado por JoffreJustino às 11:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

Uma Hortinha Urbana Com Couvinhas de Seda…Destruída Pela Burocracia! Façamos Agora e Até Amanhã Uma Votação, A Pedido De Alguns, Jantar Pela Regulamentação Internacional das Agencias de Notação a5 de Janeiro, A 6 de Janeiro, Ou a 7 de Janeiro

Eu, (tal qual Francisco Anacleto Louçã), ando de autocarro, (ainda que use também o táxi, assim como as boleias dos amigos), e foi numa viagem de autocarro que ouvi a conversa que gerou este meu texto. Ali entre os Olivais, Chelas e Xabregas entraram no autocarro duas senhoras de provecta idade, aí pelos setentas e muitos, em santa conversa feminina e, a certa altura uma diz, com pena, para outra, “…e agora, a sua hortinha? Que pena ter ficado sem ela!”, “Pois”, responde a segunda “e olhe que as couvinhas que dava pareciam de seda! Uma delicia!”, olhos vivos, mãos de agricultora, uma vida quase inteira, atirada para um Bairro Social, de uma aldeia do interior, por razões que só as famílias conhecem…”Uma pena sim! E repare que quando perguntei porque é que estavam a destruir a minha hortinha disse lá disse o fiscal da Câmara, “Ora! Para termos aqui uma Zona Verde! Esqueça lá as couves!” E Reparemos que as Hortas Urbanas estão na moda! Mas, claro, desde que integradas num modelo qualquer ( entre o 35 e 425) de um formulário sem dúvida, aprovado por um qualquer funcionário público, camarário, (e há mesmo muitos, uns muito bons profissionais – alguns, conheço-os, levavam de casa, pago pelo seu bolso, meses a fio, o papel higiénico e o sabonete que o Santana Lopes e o Carmona tinham trocado pelos “estudos” para o Parque Mayer – e outros bem maus funcionários, em especial quando não é o seu partido a estar no Poder…) É a Reforma central para Portugal, e não só, que ainda está para ser feita – a das Mentalidades! (Daí a BD abaixo…) Então se a senhora andou anos a fio, nas traseiras do seu prédio social, com amor rural, a tratar da sua hortinha, com couvinhas de seda, que comia e que oferecia ás vizinhas, (ou que vendia), não é a senhora uma expert, a ser aproveitada pelos serviços camarários, para dinamizar e ensinar como se faz uma Horta Urbana? Ou os experts são somente os cocainómanos das Fitch e restantes agencias de notação que esquecem, a Vida, esta nossa Vida, e se limitam aos nºs dos OE’s dos Estados, para deles retirarem, à nossa custa, lucros de ladrão? Temos mesmo de aprender que são estas senhoras, velhinhas, setentonas, as verdadeiras experts quanto a estas, agora na moda, com no mínimo 100 anos de atraso, Hortas Urbanas e seria de todo importante, imaginar com algo bem útil, no plano social, que uma Zona Verde incluísse uma Horta Urbana, tratada pelos Vizinhos! Hortas Urbanas que as crianças visitariam, onde falariam com os Mais Velhos que, apesar das dores nas cruzes, se animariam bem mais ao mostrarem o como foram e são úteis, em vez, já imagino, de ver “Hortas Urbanas” tratadas por funcionários camarários, para sustento de nada, para além da modinha que segundo os arquitectos de modas, passará como passaram todas as outras. Ah, (!), e o PSU, francês, partido que foi onde esteve Michel Roccard, antigo primeiro ministro socialista, que aí pelos anos 70 do século XX falava na necessidade de Hortas Urbanas em Paris, no contexto das suas opções autogestionárias, socialistas radicais e ecologistas. Ah (!) e o arquitecto Ribeiro Telles em Portugal, como o António Eloy, a Isabel Moura e eu ali pela UEDS, já a finais dos tais anos 70, a falar do mesmo… Bem, elas, as Hortas Urbanas são, agora, moda. Mas espero bem que não sejam moda no contexto errado, como a historia que relato mostra! Porque seriam estas senhoras bem velhinhas as Pessoas Certas para gerirem as Hortas Urbanas, mesmo que alguns funcionários camarários entendam que não, que certo, certo, é mesmo a Zona de nada Verde, ali entre os Olivais, Chelas e Xabregas…. Estão a ver pois porque é que tenho, temos, de ser contra as Agencias de Notação? Porque a economia são as Pessoas e não os burros dos nºs das contas das Agencias de Notação! Por isso o Jantar, Pela Regulamentação Internacional das Agencias de Notação, que, a pedido de vários deixo à votação, ser a 5, a 6, ou a 7 de Janeiro de 2011, até amanhã pelas 17h!
publicado por JoffreJustino às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010

Grato ao DN, Continuemos a Campanha Pela Regulamentação Internacional das Tais Agencias de Notação Chegou a Vez da Cidadania, Já que a Comissão Europeia Bloqueou com um Apelo Ao Silêncio, (Para Políticos Importantes Só!)!

“A Fitch afirmou que poderá cortar o rating da Grécia para Junk de BBB- após analisar os planos do país para reduzir o seu défice orçamental e a sua capacidade de colocar essas medidas em prática e tendo em conta as previsões económicas para a economia grega.” In, Informaçoes Millennium BCP Lá tenho vindo a ter respostas positivas quanto ao Jantar pela Regulamentação Internacional das Agencias de Notação e Por Manuel Alegre, (foi ele o único Candidato que criticou este Bando de Rapineiros, herdeiros da Pirataria Internacional que hoje só pensávamos possível existir nas praias da famélica Somália…), marcado que está para 6 de Janeiro de 2011! Reparem a arrogância da afirmação, acima, de um dos grupo de “cocainómanos”, uma tal Fitch, (dizem quem sabe, pelo menos alguns romancistas que convivem em NY com este bando, herdeiro dos yuppies…), retirada de um documento da Internet do BCP Millennium! …”…poderá cortar o rating da Grécia…”, porque põe, este bando que ninguém controla nas consequências da sua actividade assassina, recordo aqui….., em causa a capacidade de um país inteiro de reagir e de superar as razões da crise? Porque olhou para papéis! Talvez conseguindo “ler uns nºs”, entre olhos vesgos de cocaína, porque conhecimento da realidade perdoem-me duvidar dela! E mais com que regras, com que modelo de análise e controlo, com que critérios, pode esta, como todas as outras, agencias de notação, pôr em causa, todo um país e toda uma população de um pais? Perdoem-me, mas só a arrogância advinda de cocaína a mais, pode justificar tal, pelo que se exige, sem sombra de dúvida um controlo sanitário aos “experts” desta dita Fitch… Estou a ser ofensivo? Possivelmente. Não sou grego, nem conheço a Grécia, para além de filmes, romances e sobretudo de uma panóplia essencial de Obras que estão na raiz do que se aceitou denominar de “Civilização Ocidental” que, certamente, este bando de piratecos desconhece… Por tal, olhando para essa raiz, estou convicto que, com mais ou menos violência e dor, a Grécia saberá ultrapassar os erros e fraudes de uma governação direitista, (apoiada por uma das agencias de notação, note-se), e saberá encontrar-se a si própria! É em nome da raiz comum, que bebi em gregas leituras, da tradição que de mim também faz europeu, mesmo que um afro europeu, que me sinto ofendido e respondo com alguns insultos a estes piratecos. De facto, em nome de uma falsa economia de mercado, porque os tempos da pirataria já terminaram no contexto da economia de mercado, alguns políticos, temerosos das consequências desta “mão invisível”, como fez Durão Barroso, e ao que parece também o candidato a PR Cavaco Silva, apelam, segundo Barroso, “aos lideres e políticos para estarem mais calados e deixarem os comentários para os comentadores e perceberem que os mercados financeiros estão a ouvir”. Chegou pois o tempo dos Cidadãos, mais que dos “comentadores”! O Jantar de 6 de Dezembro de 2011, para o qual continuo a receber adesões, servirá para vermos da tipologia da Campanha a desenvolver perante este bando de perigosos, mortíferos, piratecos, que são as tais agencias de notação que alimentam estes “mercados financeiros”, eles na verdade os patrões causadores desta crescente terrível catástrofe, na verdade anti economia de mercado e pró economia dependente de uns tantos dos meios financeiros. É possível travar, a partir de Lisboa, os ímpetos deste bando de piratecos? Só agindo é que se verá se é ou não possível – os braços cruzados, o achar antes de começar que nada é possível é que nada de novo trará para a mudança de um sistema que está a cair de podre – que se revê em Bolsas controladas por cocainómanos, e equivalentes! (Dizem pelo menos os romancistas sitos em NY…). Reafirmo por isso o Convite, 6 de Janeiro de 2011, Pela Regulamentação Internacional das Agencias de Notação! Confirmem as Presenças!
publicado por JoffreJustino às 17:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Aprender Com Aquele Que É Diferente De Nós! (Exijamos Ainda A Regulamentação Das Ilegais, E Imorais, Agencias de Notação!)

“Dos Homens e dos Deuses” é um belíssimo filme, que nos leva a uma pequena comunidade de frades, numa aldeia argelina, Tibhirine, maioritariamente islâmica mas com forte influencia cristã, em consequência da presença de um antigo mosteiro cristão, encimando a referida aldeia. E, claro, seja dito, da presença destes monges, franceses, e da sua solidária actividade junto das Pessoas de Tibhirine Conheci, em 1995, uma outra pequena comunidade, desta feita de freiras, angolanas todas elas, no Bailundo, Angola, que visitei com o meu amigo Jaka Jamba e a sua sugestão. Foi para mim uma inolvidável experiência! De facto, há pessoas com um sentido de Humanidade que entusiasma sempre quem procura o Bem e o deseja para os Outros e, tanto os frades do filme, quanto as freiras do Bailundo, mostraram me uma forma de viver esse desejo. Ambas comunidades vivem para os Outros, com Humildade, com um elevado sentido de entrega e respeito pelo Outro, sendo capazes de, mesmo em ambiente de Guerra, mesmo de Guerra Civil, mostrar o que nos distingue - o sermos capazes de Amar e de mostrar esse Amor entregando até a vida. Sem fanatismos, note-se, sem desejar a morte. Quem não teve como eu a oportunidade de viver uma Comunidade assim, aconselho o filme acima e aconselho que a ele se entregue como criança e sem a arrogância de adulto, de tudo sabedor, e ainda sem esperar, no filme, grandes discursos ideológicos,,mas sim belíssimas imagens de profundo respeito pelo Outro! O que será difícil eu sei, para alguns de nós, pois andamos com forte tendência para as arrogantes certezas, que nos alimentam perante os fracassos da vida. Mas aconselho o filme. também pelas mesmas razoes pelas quais Republicano que sou, Socialista que sou, me revi no discurso de um cidadão, rei em Espanha, e conservador note-se, pois ele foi capaz de incentivar os cidadãos e cidadãs das Espanhas à Unidade para superarem a crise, lá também, como cá, dominante. E cito este cidadão, rei, do El País, de 26.12.2010, “Devemos prosseguir e abordar juntos as reformas necessárias cumprindo ainda os nossos compromissos em matéria orçamental e o défice ... "e as reformas empreendidas assim como as próximas no se entendimento devem contar com o apoio dos Agentes sociais as forcas políticas e da sociedade no seu conjunto" Que comparação possível, com as posições das oposições portuguesas, perante o discurso de apelo ao combate à crise e de esperança do Primeiro Ministro? A da água e do vinho? Ter Humanidade e isso mesmo também, o desejar um Desenvolvimento feito por todos, maiorias e minorias, sem acintes infantis e absurdos. Sem seitas nem sectarismos, pois a Humanidade necessita de saber percorrer todos os caminhos, com Humanismo, com Respeito pelo Outro e note-se - o Outro diferente de nós ouvindo o e aprendendo com ele sempre. Maçon que sou, Laico que sou, Republicano que sou, é assim que procuro viver, mesmo que tantas vezes sem a coragem dos frades do filme que aconselho, ou das freiras que conheci, no Bailundo, Angola. Por isso, pelo humilde e ao mesmo tempo grandioso exemplo, aconselho este filme, cristão e ecuménico, eu Maçon e, por isso, cristão sem igreja, mas de certeza Laico por desejo da convivência de todas as Crenças onde viva e conviva. Por isso também, pela Humanidade, insisto na necessidade de estarmos Juntos a exigir a regulamentação pela UE e pela ONU destas terroristas e ilegais agencias de notação que Manuel Alegre já tão justamente criticou. Na verdade, a sua imoralidade está no predomínio que dão ao dinheiro, em vez de darem relevo às Mudanças em prol das Pessoas, e a sua ilegalidade está no ataque, violento, aos Estados, e assassino, às Pessoas, e que já levou a Comissão, em Junho de 2010 a estudar a necessidade de regulamentar a sua actividade. Porque se espera então, estando nós em Dezembro, no final de 2010? Quem concordar comigo, na necessidade deste Combate pelo aprofundamento da Democracia económica, pela erradicação dos insultuosos e não regulamentados actos destas ditas agencias, que o diga e que aceite estar num Jantar, a seis de Janeiro de 2011, informando-me de tal mal possa! (Note-se, insisto nesta Campanha pois recuso-me a aceitar que nos deixaremos derrotar por meia dúzia de totós sediados em Londres, ou Nova Iorque, usualmente inundados de coca e afins…ganhas com o que nos roubam, a nós cidadãos deste Paneta!) Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 11:45
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Dezembro de 2010

Um Governo Mundial de Piratas e Ladrões? …De novo Drake, disfarçado de Tea Party? …E Que tal Um Jantar a 6 de Janeiro de 2011, Por Manuel Alegre e Contra As Agências de Notação!

“Caro Joffre, Leio sempre com muito interesse os teus textos. Aproveito para além dos clássicos desejos de Bom Natal e Ano Novo para fazer um comentário a um assunto que tu abordaste "en passant" ou seja as agencias de rating ou em vernáculo de notação. Essa ideia de as confrontar judicialmente e politicamente pelas suas notações não é virgem. Nos E.U.A essas agencias(standards e poors,finch , etc) foram demandadas judicialmente aquando das consequências do crash imobiliário mais conhecido por bolha imobiliária que desencadeou a crise, sem cair aqui em truísmos. Sabes qual foi a linha argumentativa desses tipos quer em tribunal quer nas audiências publicas no Senado Norte-Americano ? Eu digo-te qual foi! Disseram que as suas notações apenas representavam a sua "opinião" e que não eram sinonimo de aconselhamento para comprar ou não comprar sejam que activos fossem. Logo não eram responsáveis pelos prejuízos de centenas para não dizer milhões de milhões de dólares que muitos fundos de pensões e outros tiveram ao comprar os fraudulentos"Credit Default Swaps" com notação de "AAA+" classificadas por esses gajos que enquanto davam essas notações eles próprios e os "amigos" apostavam milhões de dólares em como esses "C.D.S ´S" iam cair em incumprimento e lá se safaram e continuam por aí a fazer mossa .tem é que ser denunciados a todos os níveis!!!!! Abraço Pedro Louro” Manda, pelo menos, a Tradição, que 6 de Janeiro é o Dia dos Reis, mas uns Reis que se ajoelharam republicanamente junto daquele que terá sido, relata pelo menos alguma Tradição, o maior revolucionário dos últimos anos, Jesus Cristo, ofertando-lhe símbolos de aceitação à Mudança que estava a chegar. Vale a pena, ainda, recordar que este Profeta Revolucionário, para alguns pelo menos, Homem Filho de Deus, era alguém que procurou Mudar o Mundo sempre, enfim quase sempre, com a melhor das disposições, e por isso, relata também a Tradição, que o seu primeiro milagre terá sido transformar, alquimicamente ou não, água em Vinho, por forma a sustentar uma Festa onde o Vinho faltava. Disse ele e alguns dos seus seguidores que “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico chegar ao Reino dos Céus”, o que não terá sido certamente por acaso. Em primeiro lugar, note-se ele não disse que era impossível que um rico chegasse ao Reino dos Céus, mas sim que era muito difícil que tal sucedesse, dada a tendência para a avareza e o egoísmo inerente à ânsia de enriquecer. É o que vemos hoje. Uns tantos, uma mais que ínfima minoria, arroga-se no direito de, feitos piratecos de sofá, atacar naves em dificuldades, os Estados que se confrontam, também eles, com estas mudanças feitas com esta 4º Globalização, pôr em causa, mais que esses Estados, sobretudo as Pessoas que vivem acobertadas pelos mesmos! Essa mais que ínfima minoria são as agencias de notação, esses piratecos de sofá, que o meu amigo Pedro Louro relata acima! Ora ou há Cidadania, intervenção, participação, ou esses piratecos de sofá continuarão a fazer das suas por esse Planeta fora! Como fazem agora a atacar o euro e a União Europeia! Sejamos sérios, esses ataques são feitos cobardemente, contando ainda por cima com a cobardia dos mandantes na Alemanha, na França e no Reino Unido, ameaçando com “os mercados” feitos fantasias que eles próprios constroem. Vejam ainda um noticia, de 02 de Junho de 2010, “Se os Estados-membros da UE concordarem com o projecto, a futura Autoridade Europeia para o sector dos Valores Mobiliários (AEVM) terá poderes exclusivos de supervisão das agências registadas na UE. A AEVM faz parte do Sistema Europeu de Autoridades de Supervisão Financeira (SEASF) para a supervisão de instituições financeiras individuais (supervisão micro-prudencial), que consistirá numa rede de autoridades de supervisão financeira, proposta em Setembro do ano passado pela Comissão Europeia. O executivo comunitário também lançou hoje o debate sobre a governação das empresas do sector financeiro, para corrigir as “importantes fraquezas” que, segundo esta instituição europeia, foram detectadas aquando da recente crise. “ Estamos a 24 de Dezembro, a véspera do dia que, “oficialmente”, nasceu Jesus Cristo, de 2010 e, até agora, os “poderes” népias fizeram para que o tal controlo de qualidade das referidas agencias de notação, os piratecos de hoje, sejam colocadas na ordem! Por medo, por submissão, por interesse? Interessa a razão? Penso que não. Resta a Cidadania! Recordando Adrian Sobaru, electricista romeno que tentou suicidar-se como forma de impor nova seriedade a este Mundo Global, lançando-se sobre os deputados romenos, recordando as xenofobias de Merkell e de Sarkozy, anti romenas, sugiro que Jantemos, Todas e Todos, sem choro e raiva, mas com Humanidade e Solidariedade, no dia 6 de Janeiro de 2011, contra as agencias de notação, as verdadeiras assassinas de Adrian Sobaru, e Por Manuel Alegre, o único Candidato Presidencial que assumiu a internacionalização do combate à Crise Mundial, combate que ele, como mostrou, quer Liderar! Convido para este Jantar Todas e Todos que me respondam, aderindo ao Jantar, até 3 de Janeiro de 2011, para este meu email, sejam muitas e muitos, sejam poucas e poucos! Podem até ser contra a Candidatura de Manuel Alegre, claro, desde que sejam Contra estes piratecos que se autodenominam de “agencias de notação”, porque há um Combate a fazer, pela regulação desta globalizada economia e sociedade, mas na verdade Manuel Alegre foi, até agora, o único Candidato que afirmou Contra esses piratecos e assumiu o confronto global, o único possível nesta sociedade global! Mas por favor façamos um Jantar Animado tal qual as Festas onde participou esse grande revolucionário, para uns Profeta, para outros Profeta e Filho de Deus, eram! E que desse Jantar, sobretudo, saiam as Medidas a Tomar contra os piratecos, Abaixo Assinados para o Parlamento Europeu, para a Comissão Europeia, para a ONU, para o FMI e o Banco Mundial, Manifestações, o que entendermos adequado. Continuar assim é que não! Em memória de Adrian Sobaru e de Todas e Todos que, ora, Já Sofrem! Até lá, até 6 de Janeiro de 2011, as Minhas Felizes Festas a Todas e Todos!
publicado por JoffreJustino às 16:13
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

Urge Um Esclarecimento Cabal de Sª Exª o Presidente da República e Um Possível Necessário Pedido de Desculpas! ( E Urge Animar esta Campanha Presidencial!)

“…Todas as acções do BPN eram da Sociedade Lusa de Negócios e 100% do capital Do BPN era da SLN” In João Semedo do BE ao i É sabido, Oliveira e Costa foi secretário de estado do professor Cavaco Silva aquando dos seus consulados de maioria absoluta, em tempos de vacas gordas, dados os financiamentos da CEE, (felizmente este banqueiro provou o sabor da prisão). Tal como Dias Loureiro foi ministro e Conselheiro de Estado nesta Presidência da República e também se passeou pelo BPN e claro pela SLN, antes de se passear por outras praias...(para não se passear pela prisão?). É também verdade que o professor Cavaco Silva usufruiu de largo beneficio com o BPN, por via da dita SLN, através da compra e venda de acções do referido Banco, ou da dita SLN, até para a sua campanha presidencial de 2005, 15 000 euros e ao que parece tudo continua segundo o DN pois “Do universo BPN, Abdool Vakil – com quem ontem Cavaco almoçou – doou 5 000 euros”! Enfim, é sabido que tanto Oliveira e Costa quanto Dias Loureiro são membros do PSD. Como é evidente, por tal, há uma forte tendência para que uma parte, pelo menos, da Comunicação Social, escamoteie esta caixa, como tem feito. Claro que se fosse com o PS e Manuel Alegre tudo seria diferente. E é só por isso que escrevo o que escrevo pois não costumo ser “virgem” em matérias destas e não me parece que seja importante lidar com estes temas, em campanha eleitoral. Por isso e porque acho que falta esclarecimento de Sª Exª o Presidente da República e de do candidato presidencial sobre este tema e, se calhar, falta um pedido de desculpas por um abuso no acto de enriquecimento pessoal. Como acho que um Presidente da República, o último garante da Democracia e da República, não se pode ficar por afirmações genéricas, quando se pretende ser esse garante para mais um mandato. Mas gosto mais de debater politicamente. Por exemplo, é mais importante tratar da forma como as ditas “agencias de notação”, de seriedade não comprovada por ninguém e de qualidade e controlo por ninguém feito, estão na campanha pela destruição do euro e da União Europeia sem que ninguém as ponha, linearmente, na cadeia, por abuso de poder. Como é mais importante sugerir à Esquerda, da qual faço parte, que reflicta sobre as formas adequadas de luta contra a Crise, onde a greve geral é a mais inadequada de todas as formas de luta, nesta Globalização onde a paragem da produção de um dia é mais um dia de vantagem à economia chinesa onde os salários continuam ao nível da malga de arroz diária. E na verdade o que está à vista é este desânimo, este desinteresse, por uma campanha eleitoral, central para a Esquerda, demonstrado inequivocamente pelo eleitorado de Esquerda. Seis anos de ataques entre a Esquerda, absurdos, inúteis na sua maioria e vantajosos somente para uma Direita que domina quase toda a comunicação social, mostram agora os seus resultados. Manuel Alegre merece ganhar estas Presidenciais. Porque é uma voz critica mas fortemente unificadora, o que é o que este país necessita – alguém que trave alguns ímpetos “de rico” que alguma Esquerda, “apressada” na distribuição dos rendimentos, (se para si, individualmente), alimenta, para mal de toda a Esquerda. Porque é alguém capaz de forçar a realização de reflexões sobre metodologias de sustentar um Estado social, que alguma Esquerda teima em considerar que significa o que é a Esquerda, (pobre Bismarck, diria Marx), mas que é um bom instrumento de salvaguarda de Direitos económicos e sociais, como deverá ter de passar a ser de deveres económicos e sociais. Porque é alguém que capaz de dar um tom cultural a este país que se entende ainda somente como um pais de sol e praia e de diversidade gastronómica. Porque é alguém capaz de dar voz aos mais desfavorecidos e aos menos ouvidos. Mas Manuel Alegre continua com uma campanha triste e fraca. E continua assim porque tudo o indica a Esquerda não só não se entende num programa mínimo, unificador doas várias opções à Esquerda, como assiste, por exemplo na internet, a criticas sem razão a Manuel Alegre, sempre em silencio, com bem poucas excepções. Caramba, com tanto para defender, por exemplo, porque não aderir à campanha grega em defesa dos eurobonds? Ou porque não lançar uma campanha contra as tais ditas agencias de notação? De facto, se a crise é financeira e se é aí que se pode debelar os males como o Desemprego, as falências, as corrupções, porque raio andamos em discussõezinhas menores e em “lutas” de lana caprina? Há um consenso nacional também a admitir e deveria ser a Esquerda a pugnar, toda ela, por ele, como se fez no Brasil com a campanha da Dilma/Lula, que conduziu o PC do B entre outros partidos de Esquerda ao governo, sem complexos de ninguém. E a forma como a Ministra do Trabalho e o governo conduziram o debate sobre o Salário Mínimo Nacional é a prova do como estabelecer esse consenso nacional – há que negociar pelos mínimos para impedir os negativismos que só satisfazem, politica e economicamente, a Direita! Vale continuar assim, tristes até à derrota final?
publicado por JoffreJustino às 17:22
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010

De Novo Um Confronto Entre os Filhos do Império e os Filhos dos Velhos do Restelo! (Resposta ao Texto Abaixo de Eduardo Marques), Parte 1

“Acho que terão havido coisas boas, sobretudo para os colonos. Mas basta ler "Como eu Atravessei a Africa" de Serpa Pinto, para perceber a abissal diferença entre a colonização portuguesa e inglesa por altura do tal "mapa cor-de-rosa", onde se vislumbra um pequena sombra de acção civilizadora, há meros 130 anos, quando já lá estávamos há 400?. Agora acho também que os problemas dos paises ex colonizados são em grande medida os mesmos do pais colonizador, a sua estreiteza de visão e a falta justamente dum projecto de civilização. Quanto aos problemas nossos, não sou eu que sou pessimista, como dizia alguém até acho que sou optimista. Quando digo que isto só está mal isto de facto está é péssimo. Pessimista aliás é a visão diária da crise, da fome, do apelo à solidariedade, dum país estado de choque e de guerra virtual, já que o Estado se tornou ineficaz e deixou de ser Republicano, apesar de que a ajuda de milhares de milhão aos bancos e especuladores, essa não pára. Logo que há dinheiro há, a questão é de sua distribuição, logo da decisão politica. Há uma meia dúzia de anos que li "Confissões dum Assassino Económico" de John Perkins, e desde então na medida que o discurso oficial, repetia o da cartilha por esse autor anunciada, que tinha previsto que a crise, justificativa de uma pesada predação sobre os mais carentes, se ia seguir. Mas seguramente que a competência técnica deste tipo de governo é muito maior do que os anteriores, "sabem bem da poda", têm os melhores técnicos a orientá-los. Igualmente que a leitura do livro de Herbemont "A estratégia do Plano Lateral" reforça a mesma visão e fundamenta-a, até lhes interessa parecer incompetentes, pois o objectivo é esconder os seus sinistros objectivos. E quem foi o deputado que foi a uma reunião internacional, com "steering group" anglo saxónico, em junho de 2004, e que passados poucos meses era SG do partido no governo e pouco depois PM? É o que se chama subida de catapulta, normal?!. Poderia ainda ilustrar com uma sessão internacional, onde o Governo mostrava como exemplo de ONG de boa colaboração com o Governo o caso da Misericórdia de Lisboa... Palavras para quê, são artistas nacionais. Se quiserem mais pormenores perguntem ao Henrique da Cais que igualmente assistiu. Saudações.” Antes do mais um essencial esclarecimento – sou apoiante acérrimo do eng. Socrates primeiro ministro, mas não sou um socialista liberal como ele, ou um reformista como ele se assume. Sou um apoiante acérrimo de Socrates por uma simples razão – porque se esforçou por governar bem um país cheio de maus hábitos, convencido, pelo consulado cavaquista, que era um pais burguês e rico, só porque conseguira aderir ao euro, projecto aliás de Mário Soares e do PS e não de Cavaco Silva e do PSD, e estava a receber os financiamentos comunitários da União Europeia. Essa boa governação implicou, desde o inicio da mesma, sacrifícios em nome do Futuro e não do amanhã. Nesse percurso surgiu uma crise, imposta por aqueles que o John Perkins denuncia, (bem, muitos outros antes dele o tinham já feito), os que dominam os mecanismos da alta finança planetária, e que impuseram este modelo financista que domina o planeta desde que o Bush filho assumiu a Presidência da Republica nos EUA, e que originaram já várias crises regionais, menos vistosas que esta mundial que vivemos, porque regionais e porque longínquas, para os europeus, porque asiáticas. Mas até 2008 a prestação económica e social portuguesa foi sendo positiva, mesmo que com uma perca em rendimentos reais, pois a divida publica e a divida externa estavam em processo de redução, o que só terminou com a explosão de 2008, (vejam as estatísticas…). Na Saúde, na Educação, na Reforma da Administração Pública, na economia apesar de tudo, tudo melhorava e foi por tal que nem a mais brutal das campanhas contra o PS e Socrates que alguma vez se viu impediu a vitória eleitoral do PS e de Socrates, nas Legislativas e nas Autárquicas. (E, nas Europeias, sucedeu o mesmo que está a suceder agora – o desencanto originou o absentismo no voto à Esquerda e daí a vitória do PSD…não se ponham a pau e não se queixem com a vitoria de Cavaco Silva e o neo liberalismo impante que daí virá…). No entanto, assumo-me como socialista radical, anti estatista, defensor por isso da economia de mercado e, nela, da economia social, autogestionária, mutualista, cooperativa e associativa, onde entendo a economia pública, estatista, como um mero instrumento e não enquanto factor de progresso , seja na Educação, seja na Segurança Social, seja na Saúde, seja nos sectores económicos de actividade. Por isso me assumo, no plano politico e social também como um liberal radical. Assim, o Estado, enquanto distribuidor de recursos, gerado pelos impostos, não deve sentir-se obrigado a defender senão a aplicação desses recursos tal qual os Cidadãos o desejem, desde que os Mais Carenciados não estejam afastados dos Direitos Básicos – na Educação, na Saúde, na Habitação e no Bem Estar Mínimo. Tal como na promoção da Igualdade de Oportunidades. No entanto, estou bem convicto que não será por via da estatização da sociedade e da economia que se atingirá um sistema socialista. A URSS e os seus filhotes estão aí para o provar. Agora tratemos do Império Português de quem sou, com honram, Filho! Portugal nasceu sem duvida está historicamente demonstrado de uma conjugação de interesses – os Locais, dos senhores locais, com os dos Cruzados em especial dos Templários, dos quais Gualdim Pais, chefe militar de Afonso de Henriques, é o mais estimado exemplo, por ter, em caso único na Europa, acompanhado, por 40 anos, um rei, ele também Templário, que se auto impôs, o Afonso de Henriques, num processo expansionista que iniciou o processo de erradicação, deste canto da Península, o Islamismo expansionista e imperial também. Deste processo nasceu um regime que Darcy Ribeiro denomina de Teocrático e que, numa economia sustentada para tal, originou, por via da manutenção, (somente em Portugal, em Aragão e na Escócia), dos Templários com simples mudança de nome, no Poder, a expansão portuguesa. As alianças para que tal sucedessem foram múltiplas, e os confrontos no interior das Cortes também o foram, mas o processo expansionista está aí e surgindo de forma estranha desta minúscula parcela do canto da Europa que se denomina Portugal. Os relatos das relações com o reino do Congo são múltiplos, mas irei somente citar um pequeno parágrafo de Ralph Delgado em Historia de Angola, “ À chegada a Portugal os Congueses foram carinhosamente recebidos, como foram esplendidamente tratados a bordo. D. João II exultou, ao vê-los, representantes que eram da fidalguia conguesa…com ensino dos usos portugueses e das práticas religiosas…”, para acentuar que mais que o desejo de exploração económica e de escravização social estava também inerente à expansão portuguesa, relevando o carácter Teocrático da mesma, a projecção da forma de estar e de viver dos cristãos no mundo. Que houve esclavagismo, é impossível negá-lo, mas tal actividade era generalizada na época a todas as sociedades, que houve tentativa de exploração nos negócios idem aspas, mas tal era também generalizado. Foi aliás por via desse processo que nasceu o Brasil, enquanto modelo social e económico mestiço que rápido se espalhou pelo continental europeu português conhecido em toda a Europa como o país dos mestiços e o primeiro a ter um primeiro ministro mestiço, o Marquês de Pombal. Como seria aliás possível assumir a liderança de meio planeta senão por via da mestiçagem? Costumo recordar que um milhão de cidadãos se espalharam e geraram domínios em meio mundo enquanto que a superpotência actual necessitou de 400 000 militares para ocupar a Iraque, (e com resultados bem pouco brilhantes). Nunca me revi nas “estatísticas oficiais” portuguesas, é bom que se diga, pois as mesmas eram feitas por Velhos do Restelo, os que se mantinham no europeu continente e que se recusavam a reconhecer enquanto portugueses os mestiços, (e muito menos os negros), que ao contrario se iam reconhecendo e zangando com este estranho e minúsculo Império que sempre foi o português. Daí que me ria sempre das estatísticas que dizem existir em 1900 cerca de mil brancos e dois mil mulatos em Angola, (como exemplo), e me ria ainda mais das estatísticas e contagens do nº de Negros, que em Angola e em face de uma desastrosa Guerra Civil passou de 6 milhões de Angolanos para os já oficialmente 16 milhões de Angolanos em 36 anitos…. Eram mais os brancos, eram mais, e bastante mais, os mestiços e eram mais, bem mais os Negros. (Experimentem a mestiçagem numa sociedade de maioria “branca” e dá o quê, gente bem clara! Experimentem a mestiçagem numa sociedade de maioria “Negra” e dá o quê, gente bem escura, “Negra”!) Divirto-me ainda hoje com os que saúdam Obama, (como eu saúdo), por ser Presidente da República dos EUA, mestiço de negro que é, não autóctone enfim, e me recusam a nacionalidade angolana por ser, vejam bem, não autóctone! Dramas que o Império teceu e que se revelaram na sua fase final…. Mas só quem não viveu Angola, (a titulo de exemplo), pode relevar os impérios coloniais britânico e francês, ou verberar por igual todos eles, como faz Eduardo Marques. E só quem não viu o desastre da colonização soviético cubana em Angola é que pensa poder distinguir a mesma em face da portuguesa. Finalmente só quem não compara a riqueza, deixada, em ouro, (a título de mero exemplo), nas Igrejas Brasileiras, pode falar em espoliação portuguesa por comparação com a britânica e a francesa, ou a alemã. Na verdade, e a titulo de exemplo também, só o Império português se trasladou do continente europeu para o americano levando para o Rio de Janeiro não somente um rei mas também uma corte com entre 15000 a 25000 membros ! Algo como 1% da população portuguesa mas sobretudo aquele 1%, a elite, de onde nasceu, claro, só podia, o Brasil! Confundir a I Globalização com as II e III da Revolução Industrial e esta IV da Revolução Pós Industrial é confundir o bacalhau com um qualquer peixe seco, ( o que aliás também já está “conseguido”, com a destruição, claro, de mais uma, das raízes imperiais portuguesas…). A expansão portuguesa desenvolve-se em um contexto mercantilista enquanto que as restantes em contextos industrialistas e pós industrialistas e só por isso elas são bem diferentes! É num contexto bem mais ideológico que economicista que se pode analisar, e entender, a expansão portuguesa e é até nesse contexto que se pode perceber o carácter colonialista da I República, onde os seus leaderes procuram, sem o conseguir, criar um modelo diverso do Brasileiro, mas se esforçam por criar um modelo desenvolvimentista, assim como o carácter colonialista, mas já não desenvolvimentista, do modelo corporativista de Salazar. E é esse modelo não desenvolvimentista que vai gerar o falhanço colonial português com 13 anos de guerra colonial estúpida e, quase, o desaparecimento do espaço de expressão portuguesa, por ocupação soviético cubana, o que só não sucede por duas razões – a primeira, o seu total fracasso, nos planos económico social cultural e politico e a segunda a auto destruição do próprio império soviético. Basta ter visitado Angola, ou Moçambique, no pós Independência ver o fracasso, económico e social, destes países por consequência dos regimes que aí se instalaram, para entender que é no contexto do espaço de expressão portuguesa que os mesmos se podem desenvolver. Infelizmente os Velhos do Restelo agora dominam em Portugal e têm sido eles a gerir os negócios com este s países de expressão portuguesa, esquecendo o essencial – a Cultura de Expressão Portuguesa! Como, aliás, se envergonham da Cultura em Portugal, basta olhar para o estado decrépito dos Castelos, das Igrejas, dos fontanários em comparação com as rotundas e as auto-estradas onde Portugal abriu falência com o consulado cavaquista! E para terminar assumo que há, sempre houve, uma Direita Imperial e uma Esquerda Imperial, como há uma Direita restelista e uma Esquerda restelista - o meu amigo Eduardo Marques é um dos exemplos da Esquerda restelista! – sendo hoje difícil, também por isso, o Diálogo à Esquerda! Porque há campos onde Direitas e Esquerdas, em Portugal, se confundem bastante. Exemplo? Os ataques serôdios de uma Direita restelista a Manuel Alegre acusando-o de “traição” quanto à questão colonial, quando, na verdade, quem traiu foram mesmo António de Oliveira Salazar e os seus capangas que com um golpe de mão afastaram Botelho Moniz de ministro do Ultramar, impedindo assim um processo pacifico e democrático capaz de sustentar o espaço de expressão portuguesa sem guerras!
publicado por JoffreJustino às 12:47
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

Em Forma de Carta Aberta A Sª Ex.ª O Ministro da Administração Interna (O Bairro da Belavista Revisitado, A Necessitar de Uma Prenda de Natal)

Sou dos que acha que é politicamente correcto defender a policia. Não há nem um de nós que não tenha tido um problema com a policia, e, daí, o nosso mal estar com esta corporação, mas não há também nenhum de nós que não tenha sentido, uma vez que seja, a sua necessidade. E claro daí a facilidade em dizer mal com epítetos dos quais o menor e o velho “caça multas”, ou dizer bem porque e quando já fomos ajudados. Mas, ao ler a crónica de Jack Healy, saída no i de 18 de Dezembro sobre o policia Bilal Ali Muhamad, que morreu em Bagdad porque se atirou para cima dum destes bárbaros fanáticos e fascizantes que Bin Laden quer transformar em ídolos da juventude, e, assim, salvou centenas de pessoas do impacto de mais uma bomba, achei que devia recordar uma outra história. Também com um policia, em Luanda, em 1992. (Na verdade, na minha vida já fui acusado de ser agente da CIA, agente do KGB, agente da Mossad, pelo menos, e, em 1992, estava na fase de ser agente da CIA de novo, pois estava a trabalhar no jornal da UNITA). O que não foi impedimento, pelo contrário, para ser preso em Luanda. Acusado de tentativa de assassinato do Papa Joao Paulo II. (confesso que a minha primeira reacção perante a acusação que me era, absurdamente, feita, por um impante policia que achou que tinha descoberto a sua mina de ouro, foi a de imaginar o que diria de tal a minha muito católica Mãe…). A custa desta absurda acusação, estive uma semana preso e depois retido na esquadra de Catete, para ser absolvido de toda a culpa uma semana depois, num caluanda e pouco democrático tribunal de então . Mas a história que quero relatar mesmo, sendo dentro desta mais longa, é a que segue. Numa das noites na esquadra da estrada e Catete, já no estatuto de retido na dita esquadra, o que me permitia dormir no chão de uma sala e não numa diminuta e imunda cela, iniciou se um imenso debate entre nós os três, os retidos da UNITA, e o jovem policia chefe de piquete dessa noite. Sobre a I guerra civil e as razoes de cada parte e, a certa altura, sobre os mortos havidos em combate, durante a mesma. Aí tudo aqueceu, pois o jovem policia tinha tido um irmão morto, precisamente em combate com as FALA, as forcas armadas da UNITA. Entretanto, a meio do momento mais intenso do debate, e rádio que dava música, passou ao noticiário . E nele fui noticia, onde se dizia que o “Moçambicano” Joffre Justino ( é, sou mesmo filho do império e, por isso, nasci em Moçambique), iria, no dia seguinte, ser despachado para a sua terra - Moçambique. Velho habito este do MPLA, quando está zangado comigo, o de dizer que não sou Angolano mas sim moçambicano. Fiquei, claro, furioso, e, abruptamente, levantei-me e fui para uma janela fumar um cigarro, (na altura ainda fumava). Passado um pouco, sinto uma mão no meu ombro e oiço o jovem policia dizer-me, Mais Velho não se zangue todos nós sabemos que o Mais Velho é Angolano ...esta conversa é só politiquice ... Olhe, esta noite ofereço-lhe a minha cama para dormir ... E, nessa noite, pela única vez nessa prisão, dormi num colchão. Emprestado por um policia angolano a um adversário político e de guerra civil, eu. Recordo sempre com prazer esta história e, hoje, aproveito-a, para alem de homenagear a Policia e os Policias, para recordar mais uma vez o Bairro da Bela vista, em Setúbal. Bairro Multicultural, pobre de um Península empobrecida. Já houve, outra vez, no bairro da Belavista, tiroteio. Por ora de pequeno impacto. Mas urge, pôr já travão ao potencial crescendo do conflito, antes que se perca de novo a cabeça. Já o defendi e repito- o há que entender que, naquele bairro, existem verdadeiras razoes para a revolta. Há por isso que encontrar soluções. E a autoridade não se estabiliza com tiros, mas com medidas inclusivas como aliás já ouvi da voz do Ministro da Administração Interna Rui Pereira em reunião que com ele tive sobre este Bairro. Pois agora urge avançar-se com essas medidas… e seria uma bela prenda de Natal, para o Bairro e os seus utentes, se as propostas do Centro Cultural Africano, Associação do Bairro com, quem a EPAR, Escola Profissional Almirante Reis lida, por via da boa relação que temos com a sua Presidenta, (tal qual como Dilma se quer tratar), a Carla Marie Jeanne, se concretizassem. E elas são simples – a) criação de um gabinete de mediação de conflitos; b)qualificação escolar e profissional para jovens e adultos; c) melhoria nas condições de habitabilidade; d) apoio ao empreendedorismo e à empregabilidade dos adultos do Bairro. Ouvi a simpatia de responsáveis, no MAI, no IEFP e no IRHU, sobre estas propostas. Ora, em homenagem concreta aos Bilal Ali Muhammad, aos Policias que vivem para as Pessoas, de todo Mundo, vamos a isso? À construção de uma Autoridade Democrática e por isso Humana? Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 11:49
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

A Unidade Possível entre a Esquerda Possível (…Mas Sabe a Pouco Como Dizia o Cantor/Poeta….)

Ontem, eleito local que sou, participei na sessão da Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora. Trata-se de uma Freguesia histórica como sabemos, que tem estranhas soluções de gestão local pois, pelo segundo mandato, PCP e PSD uniram-se contra o PS, para uma governação local um pouco estranha diga-se, mas que tende a ser, cada vez mais, “habitual”. No entanto, há que dizê-lo, o Presidente desta Junta de Freguesia, comunista, é um Homem Bom, no conceito clássico que tal caracteriza, e que se esforça para ter uma governação local que, podendo ser melhor, não deixa de ser positiva. Como, diga-se, o é o leader do PSD no executivo da Junta de Freguesia de São Vicente de Fora. E ambos se esforçam, acredito, em prestar um bom serviço à Comunidade, aos seus Fregueses. No entanto há uma questão – a política. É certo que Henrique Monteiro, insigne jornalista do EXPRESSO consegue, ao tentar fugir à realidade de, no EXPRESSO, ter cometido a gaffe, dada a pressa típica de quem corre sem olhar para onde, inventar uma noticia onde escreveu algo de absurdo, envolvendo o OE e a MOTA/ENGIL, pois, contas feitas, “à Henrique Monteiro, (e um amigo economista), Em 'O Governo e a Mota-Engil' (crónica do sítio do Expresso), eu apontei para um facto que estava no Orçamento do Estado (OE): a Ascendi, empresa da Mota-Engil, iria receber 587 milhões de euros. Olhando para este pornográfico número, e seguindo o economista Álvaro Santos Pereira, constatei o óbvio: no mínimo, esta transferência de 587 milhões seria escandalosa (este valor representa mais de metade da receita que resultará do aumento do IVA”, ( in carta de Henrique Monteiro a Jorge Coelho; profusamente distribuída na net). O que como se vê, também no texto que refiro, “afinal, a empresa só tem direito a 150 milhões, e não a 587 milhões. Durante a tarde, o sítio do Expresso fez uma notícia sobre esse lapso, à qual foi anexada o meu texto. À noite, a SIC falou sobre o assunto.”…nem fui procurar o EXPRESSO para ver o teor da tal noticia. De facto, erro é erro, gaffe é gaffe, e tempos houve que perante estes erros a solução era simples – pedir desculpa. Mas parece que a politica, à portuguesa de hoje, é assim - podem-se utilizar fugas de informação quando servem os nossos interesses, já não se podem utilizar quando outros interesses se levantam, (veja-se o caso Wikileaks), ou, pode errar-se na informação se tal afecta o Governo, e não há que emendar a mão, nem pensar, se tal beneficia o Governo,…e cito Henrique Monteiro, “Estou apenas a dizer que esse modelo foi uma escolha política desastrosa para o país. A culpa não é sua, mas sim dos partidos, sobretudo do PS”…Sobretudo do PS quando o PSD esteve no Governo 21 anos e o PS 15 anos? Onde vai Henrique Monteiro descobrir tal? O mesmo sucede no caso da Junta de Freguesia de São Vicente de Fora – quando o PS estabelece um acordo com o PSD, veja-se o OE, está a trair os trabalhadores, a Esquerda, etc, mas quando o PCP estabelece um acordo com o PSD, preferindo-o, explicitamente, como sucedeu nesta Junta de Freguesia, ao PS, (que se disponibilizou para esse acordo), já não há qualquer traição aos trabalhadores, à Esquerda, etc, (vá lá entender-se o porquê). No entanto, há já dois mandatos, dos autárquicos de Lisboa, que o PCP mantêm esta coligação. Responder-me-ão que as políticas serão diferentes? Tal significa que o PSD, o partido minoritário, na Junta de Freguesia de São Vicente de Fora, (e nas restantes Juntas de Freguesia onde esta coligação PCP/PSD acontece) está a fazer a política do PCP, ou vice versa? Problema de ambos, disse-o eu na Assembleia de Freguesia…. A verdade verdadinha é que estamos perante uma coligação PCP/PSD…. E, na verdade, foi a questão política que se levantou nesta Assembleia de Freguesia, pois o que foi defendido, a sugestão do leader do grupo socialista do PS, Armando Martins, apoiado por mim e pelo Bruno Santos, foi – ou o preâmbulo do Plano de Actividades e do Orçamento, um ataque violento ao governo socialista, era votado à parte e o grupo socialista votaria contra o mesmo, mas votaria a favor do Plano de Actividades e do Orçamento, ou, se se votasse tudo em conjunto, por consequência do referido Preâmbulo, o grupo socialista votaria contra tudo. Foi intenso o debate neste tema, mas o Presidente da Junta de Freguesia, Vitor Agostinho, deixou uma solução – caberia ao Presidente da Assembleia de Freguesia resolver o problema decidindo se sim ou não se votaria o documento em duas partes ou não. E votou-se o documento em duas partes, havendo, no essencial, no Plano de Actividades e no Orçamento, unanimidade. Vantagens do método democrático….na verdade ninguém perdeu, nem os Fregueses, nem os partidos políticos presentes na Junta de Freguesia de São Vicente de Fora! Por unanimidade votou-se também uma Moção, do PCP, sobre o Centenário da República, mas infelizmente, o mesmo não sucedeu com duas Moções apresentadas pelo Partido Socialista, que abaixo apresento, uma louvando o regime democrático pela forma como tem potenciado as melhorias no Ensino que o PISA relevou e outra saudando o Prémio Sakharov a Gullermo Fariñas e o Prémio Nobel Liu Xiao-bo. Em ambos os casos o PCP votou, lamentavelmente, contra as Moções do PS de São Vicente de Fora e o PSD, por razões de trabalho profissional, ainda não estava presente quando se votaram as Moções, pelo que não se soube qual a posição do PSD nestas matérias. Estranhei bastante que o argumento do PCP para votar contra a primeira Moção fosse o facilitismo em que se vive no Ensino, até ao 12º ano em Portugal…Estranhei bastante esta posição do PCP, tão próxima que ela é das posições do CDS diga-se. Na segunda Moção estavam em jogo, de novo, posições políticas diversas, posições que distinguem bem o PS do PCP, pois estava em jogo uma critica séria ao totalitarismo dos regimes cubano e chinês, um, o cubano que, perante a crise mundial enviou para o desemprego entre 500 000 a 1 000 000 de funcionários públicos e outro, o chinês que, também perante a crise mundial, enviou para os campos 20 milhões de chineses, ao mesmo tempo que bloqueiam a Democracia e a Liberdade Individual de Expressão. Soube, pois, bastante a pouco o esforço que os Socialistas eleitos para a Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora fizeram e o pequeno resultado obtido, para que uma demonstração de Unidade, na Esquerda que existe em Portugal, acontecesse. Resta saber se esta Unidade é possível para que Manuel Alegre ganhe as eleições Presidenciais. Na verdade, uma vitória da Esquerda, uma vitória de Manuel Alegre, daria um outro fôlego à política e uma outra abertura na política em Portugal. E, sabemo-lo todos, uma vitória de Manuel Alegre é uma vitória de algo mais que do PS, algo bem mais. Pois, uma vitória de Manuel Alegre será uma vitória dos que se revêem numa economia mais regulamentada pelo Estado, com mais intervenção do Estado na economia, com mais economia social, e com mais participação democrática dos Cidadãos. Ora numa altura que está em jogo, em toda a Europa e numa parte substancial deste nosso Planeta, o haver ou não mais Estado Social, ou menos Estado Social, caberá à Esquerda portuguesa saber optar ou não por um Combate de Todos, ou por um Combate entre Todos, os da Esquerda! Porque, uma vitória de Manuel Alegre, essa sim, saberia a muito! As Moções Apresentadas na Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora pelo PS Moção à Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora Dos Eleitos do Grupo Socialista Um dos elementos mais importantes para um Desenvolvimento Sustentável é a Educação, a Qualificação Escolar, hoje cada vez mais relacionada com a Qualificação Profissional. Daí que seja essencial, como prova das virtualidades do Regime Democrático, face ao anterior e salazarento regime fascista, relevar a evolução demonstrada pelos estudantes tendo em conta os seus bons resultados na avaliação em Matemática, Ciências e Português, no contexto do Programa Internacional de Avaliação de Alunos mais conhecido pelo PISA. Para um país que durante 48 anos, por via de um regime Fascista desvalorizou a Educação, a aproximação, em resultados, às médias da OCDE, relevam o que, na Educação, como na Saúde, ou na Habitação, ou na utilização, pelas famílias da electricidade, ou nos Transportes, etc., o regime Democrático permitiu. É perante estes resultados que o Grupo Socialista na Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora, saúda esta vitória democrática, que surge na sequencia de importantes medidas, de outros e sem dúvida também deste Governo, assim como do empenho dos Municípios, ou da Sociedade Civil, na Educação, por via de medidas como, • O Programa de Avaliação Externa das Escolas • A colocação Pluri Anual dos Docentes • A realização de Provas de Aferição e os Planos de Desenvolvimento da Aprendizagem • O Plano Nacional de Leitura • O Plano de Acção para a Matemática • A criação de mais e melhores espaços e equipamentos escolares • A criação de Aulas de Apoio e Estudo Acompanhado • A crescente responsabilização dos Municípios na Educação É neste contexto que o 25 de Abril se vai cumprindo. Lisboa 16 de Dezembro de 2010, Moção à Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora Dos Eleitos do Grupo Socialista O Parlamento Europeu entregou ontem, infelizmente em uma cadeira vazia o Prémio Sakharov a Gullermo Fariñas, cidadão cubano, insigne lutador pela Liberdade e a Democracia, antigo militar cubano, preso em 1995 por denunciar a corrupção e a falta grave nos Direitos Humanos, do regime cubano, e libertado a 8 de Julho de 2010, após uma prolongada greve da fome. O mesmo sucedera com o Prémio Nobel da Paz, este ano, entregue ao defensor da Liberdade e da Democracia, Liu Xiao-bo, cidadão chinês, também impedido de sair da República Popular da China para receber tão honroso galardão, entregue já a tão insignes cidadãos como Nelson Mandela. Guillermo Farinãs pode no entanto apresentar, por voz, em Estrasburgo, os Cinco Pontos que o distinguem, • Devem ser libertados os presos políticos e cessar a perseguição a opositores não violentos • Fim das agressões pelas milícias do regime aos opositores • Revogação de todas as leis em contradição com a Declaração dos Direitos Humanos • Criação de Partidos Políticos, Sindicatos Livres e media independentes • Reconhecimento pelo regime dos direitos dos exilados a um papel activo na vida e politica cubanas Estas reivindicações de Guillermo Fariñas são as reivindicações que a Oposição Democrática apresentava ao Regime Fascista, antes do 25 de Abril e são elementos centrais que sustentam a Liberdade infelizmente hoje ainda pouco aceite, como se vê pela forma como pelo mundo fora se ataca acções que a reforçam como as desenvolvidas pelo Wikileaks que se limita a pôr em claro as ainda fragilidades de muitas Democracias e muitos governos democráticos, na sua relação obrigatoriamente transparente com os Cidadãos. Por isso o Grupo Socialista na Assembleia de Freguesia de São Vicente de Fora saúda nesta sessão, saudando e homenageando Gullermo Fariñas e Liu Xiao-bo, todos os que neste Mundo Combatem pela Paz, pela Democracia, pelos Direitos Humanos. Lisboa 16 de Dezembro de 2010,
publicado por JoffreJustino às 18:36
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010

A WikiLeaks É Uma Actividade Terrorista?

A transparência democrática tem na Internet um fortíssimo aliado. Como já foi relevado, por jornalistas como Ferreira Fernandes, ( que relatou históricas fugas de informação ao tempo da Conferência de Berlim, enfim a do século XIX, a que retalhou África), mas sobretudo pela forma como as mesmas acontecem, (em todos os dias do ano, do sistema judicial português para a comunicação social portuguesa), são actos cada vez mais normais. Por vezes, tais fugas afectam uns, em outras vezes afectam outros, e, em geral, vão mostrando aos que detêm poder, por eleição ou por abuso, que a transparência tende a ser cada vez mais uma obrigação. Curiosamente, os mesmos que se babaram com as, (na minha opinião e nestes casos), manipulações de informação, para queimar o primeiro ministro de Portugal, Socrates, por exemplo vindas das mãos de um tal Serious Fraud Office, britânico, que nunca se preocupou curiosamente com os britânicos corruptores, (nem com a Maddie ao que parece), agora sentem-se ofendidos com a Wikileaks. É de tal exemplo um tal senhor das Neves, (que teima em dizer que não há almoços grátis, apesar de teimar sempre em se afirmar católico) e que se zangou, no Destak, com o gratuito almoço, (por o ser?), que são as informações sobre as diplomacias americanas… O tal senhor das Neves escreve inclusivamente que, “trata-se de sabotagem, subversão, agravado por traição à pátria”. Atenção pois senhores juízes, (os que praticam este acto, o de enviar para os jornais as “fugas” tribunalescas), senhores procuradores, (os que praticam este acto também) e senhores jornalistas, ( os que se aproveitam destes dois tipos de actos), pois vão passar a ter o tal senhor das Neves à perna, por “traição à pátria”, pois que eu saiba este senhor das Neves é português. E, sendo-o, se entende dever pronunciar-se, enquanto português, por uma “traição” não portuguesa, como reagirá este senhor das Neves, a partir de agora pelo menos, perante tantas traições portuguesas? Ou não? Ou, porque sendo “traições” que “dão jeito”, por tal, deixam de o ser? É fácil governar, com o segredo a envolver a actividade governativa, e é por isso que, é bem mais fácil governar em ditadura - o salazarento Salazar que o diga. Não há transparência a incomodar, prestação de contas aos eleitores, a ser necessária acontecer, jornalistas a aturar e, mesmo, ai do juiz, ai do procurador, que pratique uma “fuga de informação” pois, rápido, rápido, deixa de o ser. Eis porque, por exemplo na I Republica, (mas na verdade não só), tivesse havido que defendesse uma ditadura para pôr a coisa pública na ordem e, nesses quem, há que colocar intelectuais de esquerda bem conhecidos e bem sérios, como António Sérgio… Na verdade, não acredito que nos EUA haja assim tanta gente a entender que a Wikileaks seja um acto de traição. Haverá certamente bastantes mais americanos a rirem-se dos erros da diplomacia que os que acompanham a fúria do senhor da Neves, português. Foi sem dúvida um forte incomodo para a diplomacia americana, mas, sejamos sinceros, se há um responsável não é certamente a Wikileaks mas sim quem deveria encontrar uma solução de salvaguarda da discrição de certos documentos e não soube fazê-lo. Ou não pôde, porque a Internet tem destas coisas - torna o segredo quase impossível. O que impõe que a diplomacia tenha outro tipo de comportamentos, outro tipo de forma de expressão, e que as relações entre Estados siga a via dos”cuidados e caldos de galinha” que as escutas impuseram, em Portugal, às relações entre políticos e entre estes e outros agentes da vida activa. Ou, claro, a via de Lula que defendeu explicitamente a Wikileaks. Na verdade, e por falar em transparência, quando a Grécia tem de pagar, pelos empréstimo que necessita como o pão para a boca, em consequência de uma conservadora governação, 11,5% e a conservadora Merkell, isto é, a Alemanha, paga por empréstimos que também necessita, somente 3%, quando andou os últimos 20 anos a viver à custa dos financiamentos de todos os europeus, para gerir a inserção da Alemanha “de Leste” na Alemanha “Ocidental”, não haverá de ser necessário que se imponham, às diplomacias, algumas regras? Não será, aliás, necessário também, exigir mais transparência, (e mais regras), às ditas “agencias de notação” quanto aos critérios que utilizam para atacar alguns Estados, (agora chegou a vez da Bélgica, imaginem porquê, porque tem de indigitar governo mais rapidamente, (!)), e quanto à ingerência, brutal de uns tantos “totós da economia” na vida política de países democráticos? Ou, senhor das Neves, não estaremos neste caso, perante um acto de ingerência, quiçá de traição? Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 15:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds