Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

A Esquerda Que Ganhou Nas Autárquicas … E os Que as Perderam!

As eleições Autárquicas mostraram a importância da Unidade da Esquerda, e do respeito pela Diversidade à Esquerda, únicas formas de derrotar a Direita, que se uniu como pôde e sempre que pôde e, mesmo assim, foi derrotada.

Porque o PS resistiu e porque houve um comportamento exemplar do PCP, quanto ao voto útil em Lisboa.

Há, no entanto, que reconhecer que, à Direita, foi visível como o seu sentido pragmático a faz sustentar-se, a nível nacional, a partir do Poder Local, o que continua a não suceder, no geral, à Esquerda.

No entanto, nas Eleições Autárquicas o voto, centrado na disciplina republicana, permitiu a vitória em Lisboa, a António Costa e ao PS, na Câmara Municipal, já não nas Assembleias de Freguesia, sem que tal tenha reduzido a influencia de quem assumiu, mais ou menos explicitamente, que era premente que António Costa e o PS, em coligação, ganhasse aquelas eleições.

Penalizados realmente foram os que alimentaram o sectarismo, isto é, o Bloco de Esquerda de Anacleto Louça.

Que, não duvido, continuará a privilegiar o ataque ao PS e, claro, a aliança implícita que tem com o PSD, como iremos vendo nos próximos momentos políticos.

Que insisto levarão, caso não se trave esta tendência suicida, o país a novas eleições antecipadas, a um prazo quase certamente não superior a dois anos, e, o que, (isso sim, será grave), à impossibilidade de pormos fim a esta crise que nos afecta cada vez mais, pelo simples desejo do Poder a todo o custo.

Anacleto Louçã passeou-se pelo país feito vencedor.

Foi derrotado.

Deveria demitir-se da dita Mesa do Bloco de Esquerda.

Não somente por ter perdido, mas sobretudo por ter procurado, por todos os meios, pôr em causa a Esquerda, sempre que pôde.

E, como resultado final ficou-se pelo desastre, por todo o lado, tendo ainda por cima imposto o desperdício, em Lisboa de 4,5% de votos que não tiveram qualquer efeito.

Tudo porque se recusou à Unidade de Esquerda.

Em nome de um manifesto populismo, de um estatismo ridículo, de um corporativismo profissional serôdio.

Deveria pois demitir-se.

Note-se, no entanto, que o eleitorado BE, em Lisboa, visivelmente, reagiu diferentemente e assumiu a concentração republicana dos votos em António Costa.

Seguindo a orientação de Carvalho da Silva e, de certa forma, do PCP.

Por isso, é meu dever recordar à direcção do PS que estas eleições não foram favas contadas.

Sendo que uma das razões está no abandono dos Eleitos Locais Socialistas, na clara indefinição do PS no que respeita a estruturação de uma Democracia Local participativa, solidariamente organizada, entre os Eleitos Locais Socialistas.

Pois não basta estar nos actos eleitorais de 4 em 4 anos.

Urge acompanhar, apoiar, incentivar, formar, os Eleitos Locais Socialistas, com empenho.

Urge ser mais presente nas Assembleias de Freguesia onde se perdeu, nas Assembleias Municipais onde se perdeu, nas Câmaras Municipais onde se perdeu.

Urge ter mais Eleitos Locais activos,( porque os há e muitos, só que muitas vezes abandonados), permanentemente presentes, no Poder Local e não bombeiros de última hora que entram e saiem das eleições e das Câmaras, e das Juntas de Freguesia como se nada fosse.

Andar por aí não está, definitivamente, a dar. Até o autor da dita frase já sabe de tal…

O Partido Socialista teve, desta vez, uma enorme sorte – chamado José Sócrates.

Por isso teve mais votos, e mais mandatos com menos Presidências de Câmara.

E um acto de responsabilidade – o do PCP.

Que não vai durar para sempre, nem acontecer sempre.

Pelo que urge pensar já nas Presidenciais.

Onde o candidato natural para a Presidência da Republica pelo PS tem nome – chama-se Manuel Alegre.

E não será possível pensar-se em ganhar eleições Legislativas antecipadas e Presidenciais se andarmos com fantasias.

As fantasias já iam fazendo perder Lisboa, vejam-se os resultados do PS nas Assembleias de Freguesia.

Até porque Anacleto Louçã não se demitirá e “andará por aí” a preparar a derrota do PS, da Esquerda.

É a tarefa dele, ao que tudo indica.

Ora a Esquerda necessita de outro comportamento, outra solidariedade, outro sentido de responsabilidade.


Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds