Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

O Governo E As Oposições (Que Tal Irmos Já Para Eleições?)

Tenho vindo a receber variados apoios à sugestão que divulguei de entregar a Presidência da Assembleia Municipal de Lisboa à CDU, o que me parece demonstrativo de uma significativa maturidade entre o Eleitorado Socialista e o de Esquerda em Lisboa.

Na verdade, todos o sabemos, a divergência à Esquerda, ao contrario do que insinua Anacleto Louçã, não surge com a liderança no PS de José Socrates. A divergência à Esquerda vem dos “heróicos” tempos do pós 11 de Março de 1975 e que se consubstanciou em toda a violência também anti PS e anti Mário Soares, que levou Álvaro Cunhal, quando assumiu, mas assumiu, que devia apoiar o voto em Mário Soares para as Presidenciais de 1986, a dizer que estava a “engolir sapos”…

A maturidade do movimento social e politico onde se insere o PS e esta Esquerda que apoiou António Costa leva-a a não se amarrar a peias de aparelho, a lógicas de grupo partidário e a votar republicanamente na forma adequada de reforçar a Esquerda no Poder.

Respondendo assim ás coligações à Direita.

Os leaderes partidários que não entenderem tal não durarão muito afirmo-o sem grandes dúvidas.

Infelizmente estes leaderes partidários parece que ainda não entenderam os sinais dos tempos…

E segundo diz a comunicação social, estão, mais uma vez, em cima da mesa, propostas de medidas que se limitam a relevar a divergência à Esquerda e a valorizar a convergencia que, ainda, existe na Direita.

Deixo-vos um exemplo.

Diz a comunicação social que a Esquerda não PS está já pronta para avançar no Parlamento com propostas sobre os professores.

Que, tudo indica, alimentarão os obscuros objectivos do sr Nogueira da FENPROF e continuarão a não gerar uma adequada reflexão sobre o Ensino que queremos, o papel da escola na sociedade, a ideia de uma Escola Social em contraponto à ideia estranha e desajustada de uma Escola Publica, e a uma não reflexão sobre a função Professor nos dias de hoje.

O Governo, PS, tem um modelo que se consubstancia na necessidade de generalizar o que a Democracia e a Economia de hoje exige, a Dupla Certificação, Escolar e Profissional, isto é, a abordagem ao Saber que atinja o Saber Fazer.

Ou será que a Esquerda não PS se satisfaz com o academismo que hoje ainda predomina no pensamento de muitos professores, que chegaram a ser relevadas em Cartas Abertas no Expresso contra os Cursos de Educação Formação?

Entendo que a Escola de hoje não pode continuar a ser o espaço onde se colocam as crianças para que estas estejam ocupadas enquanto os Papás trabalham. Não pior tal ser errado, não o é, mas por ser insuficiente.

Enquanto espaço de Saber que a Escola é, deverá passar a ser espaço de divulgação e de aplicação do Saber nas Comunidades Envolventes permitindo-se assim que tenhamos um efectivo Desenvolvimento Local Sustentável, apoiado pelo Estado, através da Escola, que, para o efeito, não poderá utilizar os saberes acumulados na Escola, na lógica da mão de obra barata.

O que poderá e terá, mais tarde ou mais cedo de ser feito, através de uma Gestão de Carreiras nas Escolas, dos Técnicos/as a que hoje se chamam de Professores e que deverão ter Carreiras Alargadas e por isso outras remunerações, outra forma de estar na organização que é a Escola, outros modelos de ocupação dos seus tempos profissionais.

Esta via que põe em causa a Escola de antanho que ainda se mantém nas cabeças de muitos dos profissionais de Ensino é urgente que aconteça, e pressupõe uma Reforma de Mentalidades que é urgente ser desenvolvida.

A avaliação de desempenho, que anda a fazer mossa no país, é um mero instrumento de apreciação individual e colectivo nas organizações que os dias de hoje exigem às mesmas organizações em todas elas, em todos os sectores, e que só uma cabeça tacanha como a do sr Nogueira pode transformar em proposta de “autaavaliação” e que, como se viu, só fez o PCP perder votos…

Sou aliás da opinião que a CGTP deveria realizar uma acção de formação ao senhor em causa sobre algo que a CGTP e bem desenvolveu e desenvolve em N sectores de actividade, em nome da Democracia Participativa dos Trabalhadores nas Empresas.

E da Responsabilidade Social nas Organizações.

O conceito de Escola Publica enquanto instrumento de posicionamento politico é demasiado amplo para poder afirmar uma filosofia de intervenção no Ensino. A Escola Pública é o meio adequado para permitir o acesso, mais barato, generalizado das Crianças, das Pessoas em geral, ao ensino.

Não é, não pode ser, uma filosofia, ou um modelo de Ensino.

Porque, na Escola Publica concorrem a multiplicidade de filosofias de Ensino ora existentes tendo em conta a tipificação de professores dominante em cada Escola.

Por isso deixo, ainda que em aberto, a ideia de uma Escola Social, isto é, uma Escola centrada no Formando inserido no Ambiente Social onde ele se situa.

Eis porque as Oposições, quando falam “dos professores” visivelmente falam de nada pois nada esclarecem sobre o que pretendem, para além da ideia, peregrina, de controlar descontentamentos egoístas perante uma Escola que necessita urgentemente de mudar.

As Oposições, de Esquerda e de Direita, têm de começar a reflectir sobre o que querem para o país – se é a superação da crise, o Desenvolvimento Sustentado para a Economia em Portugal, e a Modernização das Comunidades existentes, ou se querem alimentar somente descontentamentos serôdios em nome de votos que, como se viu, não tiveram.

Se o caminho é este segundo digam-no já e peçam ao PR que cumpra a vontade do seu assessor das escutas – vamos a eleições, pois esta não maioria absoluta não funciona, já que os leaderes partidários ora existentes não têm maturidade para tal, não olham para a Europa onde estão, não aprendem com os Verdes Alemães, com o SPD Alemão, etc!

E o país e a Democracia, não pode perder tempo com lamechices populistas. O país e a Democracia exige sim maturidade, consideração pelo outro, e a ideia, à Esquerda da concentração de votos republicana.

O que exige, na minha humilde opinião, que a CDU tenha a Presidência da Assembleia Municipal de Lisboa.

Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 11:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds