Terça-feira, 17 de Novembro de 2009

(9) Enquanto Laico e Republicano … Da Carbonária em Portugal

Tudo o que rodeia a Carbonária é
misterioso e ténue; muito dificilmente
poderei afirmar com convicção que tal
facto ocorreu de tal modo, em tal data
e por tais pessoas, porque tudo é vago
e suspeito
in da Internet texto possivelmente de
Andreia Sofia Fernandes Martins



Este trabalho ficaria especialmente incompleto se não trabalhasse um tema essencial para o surgimento da República – o papel da Carbonária nas movimentações que deram origem ao que Regime que com estes textos comemoramos.

De notar, claro, que este será um primeiro texto sobre esta organização que “compete” com a Maçonaria, e com o Partido Republicano, na maternidade do 5 de Outubro.

Como de costume em todas as organizações secretas, a lenda envolve a Carbonária desde o seu nascimento. Mas, porque esta organização, afim à Maçonaria, teve, como se disse atrás, um papel fundamental na Revolução do 5 de Outubro de 1910, vale a pena iniciar este percurso também pela lenda que a envolve, ainda que a mesma pouco traga de novo à compreensão do que foi a Carbonária em Portugal.

Um autor, lido na Internet, Emanuel, no seu texto “A CARBONÁRIA EM PORTUGAL E NO ALGARVE”, recorda possíveis origens bem antigas para a Carbonária, “esta associação secreta remonta ao século XIII, época em que apareceram em Itália os primeiros carbonários, ligando-se à continuação das lutas que se haviam travado na Alemanha entre os Guelfos, partidários do Papa e os Gibelinos, partidários do imperador. Aqueles não queriam a interferência de estrangeiros nos destinos de Itália; estes, defendiam o poder do império germânico. A luta durou até ao século XV. Os Guelfos reuniam no interior das florestas, nas choças dos carvoeiros, daí a designação de carbonários. No entanto, outros autores referem a origem desta sociedade secreta em épocas mais recentes.”
Este autor defende que a primeira carbonária a existir em Portugal foi o Sinédrio, nascido em 1818, e que esteve na raiz da revolução Liberal de 1822, criado por “Fernandes Tomás, José Ferreira Borges, Borges Carneiro e Silva Carvalho entre outros”, considerada uma “pequena Carbonária”, o que releva a relação entre a tradição liberal, mesmo monárquica, e a radicalidade Carbonária.
Pedro M. Pereira no seu texto A Carbonária em Portugal segue uma linha mais historicista para o surgimento da Carbonária fora e em Portugal, aceitando, em alternativa, o seu nascimento por voltas de 1815 sendo condenada pelo Papa logo a seguir, seis anos depois de nascer, pela Bula papal de 18 de Setembro de 1821.
Se recordarmos a Mestre Carbonária Stella Carbono M.'.C.'., aparentemente da Maçonaria Carbonária Brasileira, a simbólica, no mínimo para maçónica da Carbonária, apresenta-a como que adaptada a uma outra congregação que não a dos Pedreiros Livres, relevando nas suas raízes as possíveis origens nas Corporações Medievais.
Segundo ela, a especificidade carbonaria seria “…a simbólica se religar ao reino vegetal, sob a designação de Maçonaria Florestal ou Maçonaria da Madeira, de acordo com Jacques Brengues. Uns não levam em conta o seu passado lenhador e jardineiro, outros negam-lhe a estrutura maçónica, e há ainda quem as considere para-maçónicas, a exemplo de Oliveira Marques.”
Outros autores, entretanto, defendem que a Carbonária nasceu em 1848, na sequencia da revolução de 1848 em França, pela mão do general Joaquim Pereira Marinho que, “tendo recebido do estrangeiro auctorização para poder estabelecer a carbonaria em Portugal delegou esses poderes no senhor padre António de Jesus Maria da Costa…O que de mais notável occorreu foi ser eleito Sup ‘ . ‘ Cons ‘ . ‘ o Sr. dr Francisco Fernandes da Costa em logar do sr padre António de Jesus Maria da Costa. Este despeitou-se por falta de deferencia, visto ter sido installador da carbonaria lusitana; e como desforra guardou o livro da matricula e todos os documentos relativos à carbonaria…a alta venda riscou do quadro da ordem carb ‘ . ‘ ao sr padre António de Jesus Maria da Costa, por desobediente à mesma ordem…Alem da alta venda havia em Coimbra as barracas – Egualdade e União, e as choças - 16 de Maio, Fraternidade e Liberdade…Tinham-se estabelecido barracas na Figueira, Soure e Anadia; e choças em Cantanhede, Pombal, Ílhavo e Braga…mas tudo terminou com o acabamento da carbonaria nesta cidade nos primeiros meses de 1850”, (A Carbonaria Lusitana Joaquim Martins de Carvalho, págs. 193/196, internet).
Depois de tentativas breves de reconstituição da carbonária, tais como, citando o autor atrás, Pedro M. Pereira, “Por volta de 1850-1851, teve sede em Lisboa uma Carbonária com o nome de "Portuguesa", dividida em secções chamadas choças, ou "lojas-carbonárias". Esta carbonária foi de curta duração.”, ou, a tentativa de 1853 e ainda a de 1862, esta pelo Partido Regenerador note-se, e uma outra vez, também por Regeneradores em 1864.
Esta informação, não pode deixar de ser de novo realçada, tendo em conta o já escrito sobre o Regicídio e o possível papel, da rainha Amélia e também dos Regeneradores no mesmo…
Pedro M. Pereira afirma também que “Pela Segunda metade do século XIX, surge em Portugal a Maçonaria Académica, que se irá transformar em Carbonária.”, que de organização estudantil passará a organização popular, ainda que com grande contestação, como recordarão outros autores, sendo que “As iniciações faziam-se nalguns Centros Republicanos - onde, aliás, se encontrava grande parte dos Bons Primos carbonários - mas de preferência em escritórios e casas particulares, quando temporariamente desabitadas, ou ainda, em armazéns, caves e até em cemitérios a altas horas da noite.”, relevando-se aqui, nesta leitura do nascimento da Carbonária a ligação dos Centros Republicanos, de alguns pelo menos, à Carbonária.
Finalmente, e a par de uma outra carbonária de raiz anarquista, a última carbonária a surgir, em 1897, teve como seu fundador e Grão-Mestre, Artur Duarte Luz de Almeida, posteriormente também maçon da loja maçónica de Lisboa Luís de Camões, e onde usou o nome simbólico de Desmoulins.
Artur Duarte Luz de Almeida fez ainda parte da Loja Montanha, também de Lisboa, Loja Maçónica esta determinante para a radicalização do Partido Republicano, em 1909, e da qual foi seu fundador e venerável.
Este bibliotecário, introvertido mas excelente organizador conseguiu, com Machado dos Santos e Magalhães Lima fazer da Carbonária uma fundamental organização armada civil republicana, decisiva para a implantação da República em 5 de Outubro de 1910 e para a defesa desta nos primeiros dois anos do novo regime.
A Carbonária chegará, segundo alguns, a contar com mais de 40.000 membros, especialmente em Lisboa, na margem sul e em outras áreas urbanas do país.
Iremos falar dela ainda um pouco mais, nestes textos, como verão e como já o dissemos.
Joffre Justino
publicado por JoffreJustino às 13:48
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Filomena Barata a 17 de Novembro de 2009 às 14:24
Obrigada pela informação aqui disponibilizada.

Filomena Barata


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds