Quinta-feira, 24 de Março de 2011

Definitivamente! Os deusinhos estão loucos! (…Ou o Burguês Ódio ao Povo!)

"Temos de abandonar a mentalidade de vítimas que adoptámos há tanto tempo: a noção de que alguém nos deve algo. Temos de acabar com as lamúrias e deixar de pedir esmolas ao resto do mundo". Para Chika Onyeani, "temos que reconhecer e aprender com os brancos e com os asiáticos o que é necessário fazer para se conseguir sucesso" in, email recebido, sobre o livro PRETO CAPITALISTA, um livro do nigeriano, negro claro, Chika Onyean Não, não vou falar de África. A não ser de uma pequena parte dela, a que está no nosso sangue, aquela de que nos devíamos orgulhar, porque é prova inesquecível da nossa capacidade e vontade em termos feito a 1ª Globalização. Facto que alguns fazem por esquecer, como fazem por esquecer a multivariedade de sangues que existe no nosso sangue “português”, a que eu prefiro denominar de “imperial português”, precisamente para não me misturar, eu luso angolano nascido em Nampula Moçambique, com o que por aí anda. Recordo que o titulo do texto o fui buscar a um dos mais divertidos filmes do século XX, que relata uma hilariante história em volta de uma garrafa de COCA COLA, que prova precisamente que, estranhamente, os Deuses, sempre bons e acertados, viraram loucos. Passado claro ali pelas Áfricas… Os “portugueses”, ou “imperial portugueses”, correspondem ao conceito que leva Camões a divergir entre os Velhos do Restelo, os que se opunham à Globalização, e os outros, os que a praticavam, alinhando com estes últimos. Enfim, entre os que acreditavam que havia um espaço próprio para Portugal, os imperial portugueses, tal qual o recorda Fernando Pessoa que lembra que a sua Pátria é a Língua Portuguesa, e os que achavam que este país deve atirar a toalha ao tapete e render-se. Era bem estreita a via que relacionava mais uma vez Portugal com o Mundo, num contexto pós imperial, entre a CPLP, as comunidades de expressão portuguesa espalhadas pelo Mundo, (daí o papel do sr Chavez…), e a União Europeia. Parece que esta via está derrotada. A via da gestão dos investimentos no exterior e do exterior para Portugal, (e não falo somente dos investimentos angolanos, que ainda bem que existem, pois prefiro recordar o gesto solidário, que mostra que há “outro mundo” ainda, de Ramos Horta, Presidente de Timor Leste), a via da economia global, ou das “exportações”, a via da percepção de uma autonomia relativa, difícil, mas concretizável, é a via que parece derrotada, hoje, 24 de Março de 2011. Porque temos uma História, imperial, de 8 séculos e somos caso único, mas dela estamos esquecidos. Bem, estamos claramente a deixar de ser autónomos. Somos cada vez mais Boliqueime, e cada vez menos Goa. E um Boliqueime feito de pequenos ódios, à Manuela Ferreira Leite, e não de grandes solidariedades à Ramos Horta. Cito a ultima declaração de José Sócrates, onde assume que lutou por“ proteger o país da necessidade de recorrer a um programa de ajuda externa para que Portugal não ficasse na situação da Grécia e da Irlanda”, luta que culminava neste PEC IV e na vitória que se adivinhava na próxima negociação europeia e que manteria o sonho de uma autonomia relativa neste Mundo Global agora à americana, amanhã à chinesa. A visão conservadora do mundo, o velho restelismo, não desejava que tal sucedesse, porque odeia o trabalho que dá a autonomia relativa. E, recordo, o velho restelismo, visão bem reaccionária do Mundo, não é uma visão somente “de Direita”, pois há esquerda na Direita e o PCP e o BE resvalaram para o velho restelismo há já um bom tempo. Aliás não é de esperar com bernardinos e anacletos a dirigi-los… Ontem, a Assembleia da República destilava esse velho e burguês ódio ao Povo que levou no final do século XIX à espantosa evolução de um pequeno partido, o Republicano que se opôs, então, a esse ódio . O Povo que fez o Império, que construiu a mestiçagem e não a escravatura, que deu origem à comunicação social liberal, solta, do final do século XIX, no espaço africano português e aos partidos africanos do século XX e não ao salazarento colonialismo desse século, ( que para o Império terminou a 25 de Abril de 1974 quando deveria ter terminado em Abril de 1961 com Botelho Moniz a dirigir a Mudança de mentalidades no seio do Império). O Povo que se espalhou pelo Brasil, pela África do Sul, por Portugal, (dando-lhe um ânimo que já estava esquecido com a ditadura salazarenta), que trouxe o boé, a moamba, o Kuduro, o catembe, também para o antigo centro do Império, contra os velhos restelistas ditos europeus pensando-se brancos, mas de segunda e submissos aos europeus autênticos, as merkells. Ontem foi outra coisa. Foi a submissão aos partidos de direita europeus, às agências de notação, a uns ditos e fantasmagóricos mercados, por parte das bancadas do PSD, do CDS, do PCP e do BE. Fomos entregues ás mãos do FMI. Como convinha. Porque estávamos a ser demasiado autónomos o que era perigoso para esta noção europeia decadente e dominadora, de um centrismo vindo da visão fechada e continental, da Europa. Tão fechada quanto dependente dos interesses da alta finança, essa não europeia, sem rosto, a quem chamam de “os mercados”. Mas há ainda Resistência a fazer! Porque não queremos ser umas coitadinhas vitimas, mas sim Senhores do Nosso Destino! Os caminhos ficaram mais apertados? Eleições antecipadas pois! Querem-nas? Vamos a elas, com Sócrates! Porque, aí à frente, há mais Mar a Percorrer.
publicado por JoffreJustino às 10:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Primárias - Uma Otima Pro...

. O 11 de Setembro e eu pr...

. Um recado a Henrique Mont...

. Na Capital Mais Cara do M...

. Há Asneiras A Não Repetir...

. “36 Milhões de Pessoas Mo...

. Ah Esta Mentalidade de Ca...

. A Tolice dos Subserviente...

. A Típica Violência Que Ta...

. Entre Cerveira e a Crise ...

.arquivos

. Julho 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds